Ações da Nintendo despencam 5% após lançamento de 'Super Mario Run'

Por Redação | 16 de Dezembro de 2016 às 11h41

O aguardado Super Mario Run, primeiro título mobile do encanador bigodudo, finalmente foi lançado. Mas parece que ele não agradou tanto os acionistas da Nintendo, que viu suas ações despencarem 5% no pregão deste quinta-feira (15).

Informações apuradas pelo Sky News dão conta que o valor de mercado da produtora japonesa caiu para cerca de US$ 2 bilhões no fechamento das negociações de ontem na Bolsa de Tóquio. Apesar de o jogo ter se saído bem e figurado entre os apps mais baixados do dia no Japão, Alemanha, Austrália e Reino Unido, especialistas demonstraram preocupação em relação ao preço do jogo e a falta de uma versão para Android.

O título aparece listado como gratuito na App Store, mas a verdade é que apenas três fases podem ser jogadas sem qualquer custo. Para ter acesso ao jogo completo, é preciso desembolsar US$ 10 nos Estados Unidos e £ 8 no Reino Unido. É um valor visto com ceticidade pelos analistas, que desconfiam que nem todo mundo está disposto a pagar tanto por um jogo como Super Mario Run.

"Ouvimos reclamações a respeito do preço do jogo, em especial na App Store, onde uma quantidade considerável de avaliações de apenas uma estrela foi feita pelos usuários por esse motivo", disse Daniel Ahmad, analista da Niko Partners, em entrevista ao MCV. "Também percebemos que as três primeiras fases podem ser concluídas muito rapidamente e os jogadores podem não ter tido tempo suficiente para avaliar se vale a pena pagar pelo jogo completo".

Além da questão do preço, o analista de jogos mobile da IHS Jack Kent alegou que a exigência de Super Mario Run de sempre estar conectado à internet para funcionar é um problema. Para ele, isso "vai limitar a experiência do jogo para aqueles que estão se deslocando por ou vivendo em áreas com conectividade precária".

"A Nintendo não está seguindo o modelo de negócios habitual do mercado de games mobile. Enquanto os jogos estão disponíveis gratuitamente, a Nintendo só está oferecendo algumas fases e esperando que os jogadores se sintam encorajados a fazer a compra do jogo completo", criticou o analista. "Isso pode significar que o jogo não consiga ser tão bem-sucedido quanto vários outros jogos que aparecem entre os mais baixados nas lojas virtuais".

Apesar disso, Kent diz acreditar que o mobile é o lugar certo para a Nintendo faturar no longo prazo. Ele destaca que toda a audiência hoje está utilizando dispositivos móveis e que este é o segmento que mais cresce no mercado de videogames. "Haverá uma grande demanda por Mario nos dispositivos móveis - e a gente sabe como isso foi em Pokémon Go. Também é uma ótima oportunidade de a Nintendo apresentar seus jogos a um público mais jovem", ponderou o analista.

Via Sky News, MCV

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.