A crise não chegou aos jogos: indústria gamer e suas oportunidades

Por Giovana Gaiolli | 20 de Março de 2021 às 13h00
Reprodução/Fredrick Tendong (Unsplash

A essa altura, chega a ser repetitivo mencionar o quanto a COVID-19 afetou o mundo. Para o mercado, a pandemia trouxe consigo a temida crise para diversos setores, porém, a indústria gamer não foi um deles. O isolamento social fez com que bilhões de pessoas passassem a ficar mais tempo em casa e, muitas delas, viram nos jogos um meio de passatempo pessoal, familiar, ou muitas vezes, até como uma segunda fonte de renda, o que fez com que o mercado gamer não despencasse na quarentena. Ao contrário, cresceu.

Em linhas gerais, o mercado de jogos teve um aumento de 12% na receita em 2020 no comparativo anual. Enquanto a receita foi 6% maior em janeiro e fevereiro no comparativo anual, teve um crescimento de 14% no restante do ano. Ou seja, como o lockdown da COVID-19 teve um efeito mundialmente em março de 2020, os gastos com games dispararam a partir desse mês e não voltaram a cair mais, de acordo com a SuperData, braço de análise de entretenimento da Nilsen.

A COVID-19 deu origem à utilização de espaços digitais como centros de encontro socialmente distantes. Com eventos presenciais cancelados e como uma forma de fugir das tradicionais lives, muitos encontraram no jogo online uma forma de se comunicar com o seu público-alvo e, até mesmo, atingir um novo público, por que não?

O cantor Travis Scott, por exemplo, inovou e realizou um concerto digital durante o jogo Fortnite, gerando mais de 45 milhões de visualizações. Temos casos até na política em que congressistas usaram de jogos para atingir um público novo, como as norte-americanas Alexandria Ocasio-Cortez e Ilhan Omar que jogaram Among Us ao lado de streamers populares da Twich e conseguiram ter um público médio de 358 mil internautas por minuto.

O mercado é gigantesco e traz possibilidades para diversos segmentos, ao contrário do que muitos ainda pensam. Hoje em dia, vemos muitas oportunidades de vendas para o público gamer, seja para a pessoa que deseja atualizar seu computador ou para quem está entrando nesse universo agora.

De acordo com a pesquisa Ipsos, encomendada pela Intel em 2020, 50% de todos os jogadores utilizam um computador específico para jogar, ou seja, procuram setups fortes e atualizados que ofereçam desempenho e performance para poderem jogar sem gargalos. No primeiro trimestre de 2021, por exemplo, foi lançada a 11ª geração de processadores Intel com linhas voltadas especificamente para o público gamer, apenas um ano após o lançamento da 10ª Geração, o que mostra como esse mercado é dinâmico e se precisa manter atualizado constantemente.

Para o gamer que gosta de jogar pelo PC, além das demandas mais tradicionais como componentes de hardware, também vemos cada vez mais a procura por itens como mouses, teclados, monitores, microfones ou até a própria cadeira gamer que teve um aumento de 300% nas vendas da Amazon nos EUA.

A consolidação dessa indústria continuará em 2021 e passará a ser cada vez mais competitiva. Para “embarcar na onda”, as empresas precisam escutar o consumidor e se munir de informações sobre esse universo, ou seja, acompanhar lançamentos, seguir tendências e se inserir, de fato, na comunidade gamer.

Somente assim, as companhias poderão, como nos jogos, passar de fase.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.