Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Graves, médios e agudos: como equalizar seus fones de ouvido

Por| Editado por Léo Müller | 27 de Março de 2023 às 11h14

Link copiado!

Victor Lenze/Canaltech
Victor Lenze/Canaltech

Quando analisamos caixas de som e fones de ouvido, muito falamos em graves, médios e agudos, mas você sabe exatamente o que isso significa? Há uma maneira de melhorar o áudio do equipamento usando um equalizador?

Se você é fã de música e equipamentos de áudio em geral, deve ficar atento à capacidade desses dispositivos de reproduzir frequências graves, médias e agudas. Na música, as frequências do som são o que nos permite perceber a atuação de diferentes instrumentos – incluindo as vozes –, seu volume e densidade. E isso ocorre independentemente do gênero musical.

Por isso, se você pretende comprar um fone ou caixa de som de boa qualidade, ou que atenda às suas necessidades, deve saber reconhecer se o equipamento consegue reproduzir bem as faixas de frequências que tornam o som mais agradável ao seu gosto pessoal.

Continua após a publicidade

Para que você entenda o que significa graves, médios e agudos, você precisa entender como se dá o som propriamente dito.

🛒 Encontre os melhores produtos em promoções incríveis no Canaltech Ofertas

O que é o som?

De maneira bem simplificada, o som nada mais é do que o resultado de uma vibração que se propaga por diferentes meios. Também chamamos o som de onda sonora, pois ela se propaga por meio das moléculas do elemento pelo qual ela trafega – ou viaja.

Continua após a publicidade

Os meios de propagação do som podem ser sólidos, líquidos ou gasosos. Quando estamos ouvindo músicas a partir de caixas de som, as ondas sonoras chegam aos nossos ouvidos por meio do ar. Quando usamos fones de ouvido, a maior parte das ondas sonoras se propagam por meio do ar que há em nosso canal auditivo (para chegarem aos nossos tímpanos), mas parte das frequências mais baixas também usam um meio sólido, que é nosso próprio canal auditivo.

Assim como toda onda, as ondas sonoras possuem três características básicas: amplitude, comprimento e frequência. A amplitude é a distância máxima entre o eixo e a crista (ponto de maior distância acima do eixo) ou vale da onda (ponto de maior distância abaixo do eixo).

O comprimento de onda é a distância que ela percorre em um determinado período, ou seja, o intervalo de tempo entre uma crista e outra – ou entre um vale e outro. Já a frequência é a quantidade de vezes que uma onda oscila em um segundo. Como medimos essas oscilações em Hertz (Hz), dizemos que uma onda que oscila 20 vezes em um segundo é uma onda com frequência de 20 Hz.

Continua após a publicidade

O que são os graves, médios e agudos?

Agora que sabemos o que são as frequências em uma onda, fica mais fácil entendermos o que são os graves, médios e agudos que tanto se mencionam em reviews de caixas de som e fones de ouvido.

Quando citamos os graves, médios e agudos, estamos nos referindo a diferentes intervalos de frequências sonoras, geralmente dentro de um espectro que vai de 20 Hz a 20.000 Hz (ou 20 kHz). Esse é o alcance total em frequências de ondas sonoras que os humanos conseguem captar e distinguir como audíveis.

Considerando o alcance humano total de frequências sonoras, indo de 20 Hz até 20 kHz, nós dividimos essa faixa em três intervalos menores, que são os graves, médios e agudos. Para facilitar o entendimento desses intervalos, basta observarmos que a escala parte de um número menor (20 Hz) e vai crescendo (até chegar em 20.000 Hz).

Continua após a publicidade

Veja como fica a faixa de frequências captadas pelos humanos, subdividida em três faixas menores.

Os graves

As frequências graves compreendem a faixa que vai de 20 Hz até 250 Hz. É nessa faixa que atuam as frequências mais baixas que conseguimos ouvir, que são geradas por instrumentos como o contrabaixo, o bumbo da bateria, explosões, trovões, etc. Os graves são sons que dão sensação de preenchimento do ambiente, pois essas frequências causam vibrações que podem ser não apenas ouvidas, mas também sentidas.

Os médios

Continua após a publicidade

As frequências médias são as que estão no meio do espectro audível pelos humanos, na faixa entre 250 Hz até 5 kHz. É nesse intervalo que atuam a maior parte dos instrumentos musicais e dos sons provenientes da nossa voz.

Os agudos

As frequências agudas são as mais altas no espectro audível por nós, começando nos 5 kHz e indo até os 20 kHz. É nessa faixa que atuam os sons mais agudos que podemos ouvir, que servem, basicamente, para dar nitidez e “brilho” aos sons de frequências inferiores, principalmente as médias. Nesta região, os sons soam quase como um “chiado”, ressaltando, por exemplo, o “S” das palavras e os pratos em uma bateria.

É importante ressaltar que o intervalo dessas faixas de frequências não é uma unanimidade, e pode variar conforme a opinião de especialistas, empresas ou órgãos de padronização.

Continua após a publicidade

Subdivisões

Além dos graves, médios e agudos, há ainda outras subdivisões do espectro de frequências audíveis pelos humanos que nos ajudam a entender melhor a questão da equalização em equipamentos de áudio. Observe o quadro abaixo:

Subgraves

Continua após a publicidade

Entre as frequências graves, chamamos de subgraves as que ficam situadas abaixo dos 60 Hz. Esses sons são a parte mais “cheia” e extensa do que podemos ouvir (e sentir) de um bumbo ou estrondo de trovão, por exemplo. Em equipamentos de áudio, essas frequências são reproduzidas pelos subwoofers. Os subwoofers também reproduzem uma parte dos graves, que também são frequências baixas, mas que ficam acima dos subgraves. Enquanto que os graves concentram as batidas mais secas de uma bateria, os subgraves são mais sensíveis ao tato do que à audição em si.

Médios graves e médios agudos

Essas são frequências de transição entre os graves e médios e entre os médios e agudos. Essas regiões concentram pequenas porções de sons que atuam, em grande parte, nas frequências médias.

Como equalizar os fones?

Continua após a publicidade

Um equalizador é um recurso que atua via software ou hardware, para alterar o ganho das frequências, reduzindo-as ou aumentando-as. Esse efeito age diretamente no sinal emitido, e não nos fones ou caixas de som. Isso nos permite corrigir, até certo grau, imperfeições geradas por frequências muito altas ou muito baixas.

Agora que você já sabe o que são as frequências sonoras e suas subdivisões, veja como melhorar o áudio de seus fones de ouvido ou caixas de som por meio de um equalizador gráfico.

Preste atenção nos dois equalizadores abaixo. O da esquerda é o que vem instalado por padrão nos celulares Samsung. O da direita é um app de terceiros, baixado via Play Store. Ambos possuem uma escala de frequências dividida em bandas.

Continua após a publicidade

As bandas dos equalizadores significam os intervalos de frequências que podemos ajustar. De maneira geral, quanto mais bandas tiver um equalizador, mais precisos serão os ajustes que poderemos fazer no áudio do dispositivo, neste caso, o celular. Cada banda é representada por um intervalo de frequências sonoras.

Se o equalizador tiver poucas bandas, isso significa que cada uma delas vai abranger um intervalo maior de frequências. Sendo assim, quando aumentarmos ou diminuirmos o ganho de uma banda, mais frequências ao redor dela também sofrerão interferência desse ajuste.

No equalizador da Samsung, temos 9 bandas, indo de 63 Hz até 16 kHz. Cada banda pode ter seu ganho aumentado ou reduzido em até 10 dBs. Já o outro equalizador possui 10 bandas, que vão dos 31 Hz aos 16 kHz. Cada uma delas pode ser alterada em até 15 dBs para cima ou para baixo.

Continua após a publicidade

Para ajustar os graves, médios e agudos, basta deslizar as bandas do equalizador para cima ou para baixo, a fim de deixar o som de acordo com o seu gosto pessoal. Como explicado anteriormente, os graves são as frequências mais baixas, enquanto que o médios são as do meio, e o agudos são as frequências mais altas do espectro.

Além de permitir ajustes finos por meio das bandas, os equalizadores também costumam oferecer ajustes predefinidos para gêneros musicais, como pop, rock, clássica, jazz, etc. Às vezes, um modo de som predefinido já é o suficiente para deixar o som mais agradável.

Os equalizadores são muito úteis para fones de ouvido ou caixas de som que possuem uma assinatura sonora que favorece muito uma ou mais faixas de frequências. A JBL, por exemplo, é conhecida por seus fones de ouvido com reforço de graves. Mas também há marcas de fones de ouvido e caixas de som que usam termos como "Super Bass ou Extra Bass" para indicar que o produto possui graves ressaltados.

Considerações importantes

Vale ressaltar que os equalizadores podem ser de boa ou má qualidade, o que deverá impactar na qualidade sonora emitida pelo dispositivo (celular, PC, etc.).

Outro ponto importante é que os equalizadores não têm poder para aumentar a faixa de frequências que seus fones ou caixas de som podem reproduzir. Sendo assim, se você elevar demais as frequências, poderá causar danos irreversíveis aos seus equipamentos.

O mesmo se aplica ao ganho geral de volume (booster), que faz com que fones e caixas de som atinjam volumes “mais altos”, o que gera distorções no som e pode até mesmo queimar os alto-falantes das caixas ou drivers dos fones.

O equalizador não substitui um equipamento de boa qualidade. Ele apenas trabalha em conjunto com o aparelho para permitir que o usuário extraia dele um som mais agradável ou de melhor qualidade.