Computação quântica: o futuro em teste

Por Stephanie Kohn | 26 de Março de 2018 às 07h30
photo_camera IBM

A computação quântica foi um dos assuntos mais comentados durante o IBM Think, evento anual da companhia que aconteceu em Las Vegas (EUA) na última semana. O conceito ainda pouco conhecido pela massa já é uma realidade dentro da companhia e, segundo suas previsões, passará a ser comercialmente viável dentro de cinco anos.

Na computação quântica os bits tradicionais dos computadores são substituído pelos qubits, uma versão quântica que não possui apenas dois estados, mas uma infinidade deles. Enquanto um bit é binário e assume apenas valores 1 ou 0, o qubit pode ser 1, 0 ou os dois ao mesmo tempo. O fato de um qubit poder assumir três valores em vez de um é que torna possível realizar cálculos nunca antes resolvidos. Como o sistema não funciona de forma linear, ele também pode calcular todas as possibilidades de um problema ao mesmo tempo. 

"Antes computação quântica existia apenas em ficção científica, mas hoje é realidade. O futuro está aqui", comentou Arvind Krishna, diretor do IBM Research, durante palestra no evento.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Dentro da Big Blue, a computação quântica tem dado passos largos. Em março de 2017, a empresa anunciou o IBM Q, uma plataforma que abriga computação quântica na nuvem e pode ser usada nos moldes das demais soluções cognitivas da IBM, com APIs para desenvolvedores e cientistas. Em novembro do mesmo ano, a companhia revelou dois novos processadores de computadores quânticos, de 20 qubits e 50 qubits - até o momento o computador quântico mais poderoso possui 2000 qubits e foi lançado pela D-Wave Sistems.

Com o objetivo de popularizar o tema e torná-lo comercialmente viável nos próximos anos, a companhia está incentivando fortemente a experiência do computador quântico por meio de sua plataforma IBM Q. A empresa segue a mesma estratégia usada na promoção do Watson, seu sistema de Inteligência Artificial cognitiva hoje já amplamente usado no mundo.

“Hoje a computação quântica é como um playground para pesquisadores, mas daqui a poucos anos ela estará em todos os lugares; de empresas a universidades. Profissionais de todas as áreas usarão um computador quântico para resolver problemas considerados insolúveis”, finalizou Krishna.

Para quem se interessou em conhecer mais o projeto, acesse o site da IBM Q Experience para iniciar uma experiência quântica.

*A jornalista viajou para Las Vegas a convite da IBM.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.