Publicidade

Veja o Sol engolindo sua própria erupção neste vídeo da NASA

Por| Editado por Luciana Zaramela | 04 de Junho de 2024 às 16h59

Link copiado!

NASA/SDO, AIA, EVE, HMI science teams/helioviewer.org
NASA/SDO, AIA, EVE, HMI science teams/helioviewer.org

A atividade do Sol continua a todo vapor. Na segunda (3), nosso astro sofreu uma explosão e a sonda Solar Dynamics, da NASA, acompanhou tudo de pertinho. As imagens são incríveis, e o mais interessante é que mostram que o material não conseguiu sair do Sol. 

Como o nome indica, as explosões solares são grandes liberações de material na superfície solar. Elas são classificadas de acordo com a intensidade — o evento em questão foi da classe M, ou seja, foi forte. 

“Observe como o plasma caindo atinge e flui pelo campo magnético [do Sol] — física em ação!”, descreveu o físico solar Ryan French. Mais dados são necessários para os cientistas entenderem a intensidade do evento. 

Continua após a publicidade

Mesmo assim, French o descreveu como um “ótimo exemplo de uma erupção que falhou”. “O material tentou deixar o Sol, mas acabou não escapando”, acrescentou. 

Quando as explosões solares acontecem, as partículas liberadas viajam pelo espaço e alcançam a Terra, causando diversos efeitos — como as auroras boreais nas regiões polares. Entretanto, não houve erupção de material neste evento, impedindo o espetáculo de luzes coloridas. 

“Parece que quase todo o plasma associado à explosão M4 caiu de volta no Sol e foi absorvido, com apenas uma pequena emissão registrada nas imagens”, observou Sara Housseal, que trabalha com previsões do clima espacial. 

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Clima espacial é o termo usado para descrever as mudanças no ambiente espacial entre o Sol e a Terra. Assim, não é surpresa dizer que nosso astro é a principal fonte do clima espacial: as erupções de plasma, ejeções de massa coronal e outros fenômenos podem causar diferentes efeitos em nosso planeta. 

Os cientistas vêm acompanhando estes fenômenos atentamente, afinal, o Sol está chegando à etapa de maior atividade em seu ciclo de 11 anos. Portanto, devemos ver novas erupções e explosões em breve.