Terra está, aos poucos, se afastando do Sol, revela estudo

Por Redação | 19 de Janeiro de 2018 às 12h39
photo_camera Reprodução

Em artigo publicado no site Nature Communications, cientistas revelaram que, aos poucos, a Terra está se afastando do Sol. O estudo reuniu informações de várias publicações acadêmicas e, principalmente, dados da missão Messenger da NASA coletados ao longo de 7 anos.

De acordo com os cálculos divulgados na publicação, o esforço gravitacional exercido pelo Sol sobre os planetas que o orbitam tende a enfraquecer à medida que ele envelhece. Isso acontece por conta da massa que o astro perde ano após ano e que é levada pelo vento solar.

Na prática, isso significa que as órbitas dos planetas do sistema solar se expandem lentamente conforme o tempo passa e, considerando que a atração gravitacional é uma função de massa e o Sol é responsável por esse papel, seu controle sobre tais planetas está diminuindo.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Antes que você comece a entrar em pânico, saiba que a deriva, na verdade, é incrivelmente pequena. Segundo Antonio Genova, autor que lidera o estudo relacionado ao Sol e pesquisador do MIT, “a orbita da Terra se expande cerca de 1,5 centímetros por ano” – o que significa que nosso planeta está cerca de 150 milhões de quilômetros distante do astro-rei.

Vale lembrar que todos estes números são estimativas aproximadas, pois a taxa de perda de massa do Sol varia ao longo de 10 bilhões de anos. Se o valor fosse fixo, a Terra se moveria aproximadamente 150 mil quilômetros antes que o astro-rei pudesse se extinguir – cerca de 0,1% de distância real.

O efeito, porém, muda de acordo com a distância do Sol. Saturno, por exemplo, está dez vezes mais longe em comparação à Terra e se move mais de 14cm por ano, de acordo com Genova.

Para calcular a taxa de perda de massa solar, a equipe de pesquisas mediu a posição de Mercúrio com dados retirados da sonda Messenger da NASA, já que o planeta é considerado o objeto de testes perfeito por conta de sua sensibilidade ao efeito gravitacional e à atividade do astro solar.

O geofísico do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA e coautor do artigo publicado, Erwan Mazarico, acrescentou que a pesquisa fornece questões de longa data muito importantes, tanto na física fundamental quanto na ciência solar, usando uma abordagem de ciência planetária, além de acrescentar mais credibilidade aos números e fornecer mais informações sobre a interação entre o Sol e os planetas de seu sistema.

Fonte: The Register, The Nature

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.