NASA lança satélite TESS para buscar novos exoplanetas

Por Natalie Rosa | 19 de Abril de 2018 às 12h22
NASA
Tudo sobre

NASA

A NASA lançou nesta quarta-feira (18) um novo satélite cuja missão é encontrar novos exoplanetas e, quem sabe, um local habitável para os seres humanos. O lançamento do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) deveria ter acontecido na segunda-feira (16), mas precisou ser adiado para mais análises nos sistemas de orientação, navegação e controle do foguete.

O satélite foi disparado às 18h51 (horário da Flórida) da Estação da Força Aérea em Cabo Canaveral junto ao foguete Falcon 9, da SpaceX.

O TESS custou US$ 337 milhões e é equipado com quatro câmeras específicas para captação de imagens, com visão ampla de 85% do céu. O satélite ainda deve ser capaz de estudar 20 milhões de estrelas.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

George Ricker, investigador principal da missão e cientista do Instituto de Astrofísica e Pesquisa Espacial Kavli do MIT, em Massachusetts, conta que ainda não sabe o que o satélite será capaz de encontrar e que "isso é emocionante". 

O satélite deve seguir o legado do telescópio Kepler, lançado pela NASA em 2009, que identificou mais de 2.300 exoplanetas. O TESS foi projetado para localizar os exoplanetas fazendo buscas por "trânsitos", quedas na luz das estrelas que ocorrem periodicamente quando a órbita de um planeta o leva para a frente da estrela hospedeira.

Quando houver a suspeita de descoberta de um novo exoplaneta, os cientistas farão análises utilizando observatórios daqui da Terra e outros no espaço, como o James Webb, que será lançado apenas em 2020. Projetado para examinar atmosferas em busca de vestígios de oxigênio, dióxido de carbono ou metano, o James Webb será responsável por encontrar possíveis vidas.

Portanto, enquanto o Kepler descobriu que outros planetas existem, o TESS vai mais a fundo, obtendo dados para estudar a composição das atmosferas desses exoplanetas e avançar na descoberta de novos locais habitáveis.

Fonte: NBC 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.