SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Telescópio James Webb identifica galáxias primordiais diversas

Por| Editado por Patricia Gnipper | 10 de Março de 2023 às 12h28

Link copiado!

COSMOS-Web/Kartaltepe,Casey,Franco,Larson, et al.
COSMOS-Web/Kartaltepe,Casey,Franco,Larson, et al.

As primeiras imagens do COSMOS-Web, o maior programa de observação do primeiro ano de operação do telescópio James Webb, foram publicadas. Conduzida por 100 astrônomos de diferentes países, a iniciativa está apenas no começo, mas já rendeu imagens de galáxias espirais, lentes gravitacionais e até evidências de fusões galácticas.

O programa proporcionou a área mais ampla já observada pelo Webb em seu primeiro ano de operação, com dados sobre galáxias em diferentes tipos de ambientes. "A imagem final do COSMOS-Web contém cerca de 25 mil galáxias, um número ainda maior que aquele na [imagem de] Campo Ultraprofundo do Hubble”, disse Caitlin Casey, investigadora principal da iniciativa.

Continua após a publicidade

Apesar de ser uma das maiores fotos já capturadas pelo novo observatório, a primeira imagem do programa representa apenas 4% do que o levantamento completo poderá oferecer. As fotos são mosaicos formados a partir de observações do telescópio realizadas no início de janeiro; outras devem acontecer em dezembro deste ano e janeiro de 2024.

“O que pensávamos ser objetos compactos, com base nas melhores imagens que tínhamos até agora, as observações do James Webb podem mostrar que estes objetos têm componentes múltiplos e, em alguns casos, até revelar a morfologia completa destas fontes extragalácticas”, afirmou Santosh Harish, membro do programa. “Com estas primeiras observações, mal passamos da ponta do iceberg do que está por vir com a finalização do programa”.

O programa foi criado para mapear as estruturas mais antigas do universo por meio de um levantamento de até um milhão de galáxias. Para isso, foram determinados três objetivos científicos principais: um deles é aprimorar a compreensão da Era da Reionização, nome dado ao período entre 200 mil e um bilhão de anos após o Big Bang, através da detecção de galáxias.

Continua após a publicidade

Outro objetivo é identificar e caracterizar galáxias primordiais antigas e massivas, nos primeiros dois bilhões de anos do universo e, por fim, estudar a evolução da matéria escura nas galáxias, junto de sua relação com a matéria visível.

As imagens capturadas para o programa foram disponibilizadas em alta resolução no site COSMOS.

Fonte: arXiv; Via: Rochester Institute of Technology