Publicidade

SpaceX usará dióxido de carbono para produzir combustível de foguetes, diz Musk

Por| Editado por Patricia Gnipper | 15 de Dezembro de 2021 às 17h48

Link copiado!

Reprodução/Marcin Jozwiak/Pexels
Reprodução/Marcin Jozwiak/Pexels
Tudo sobre SpaceX

A SpaceX parece ter planos para coletar dióxido de carbono da atmosfera e utilizar o gás para a produção de combustível de foguetes. Ao menos é o que disse Elon Musk, CEO e fundador da empresa. Ele descreveu brevemente um novo programa para esta atividade, destacando também a importância da iniciativa para levar humanos a Marte.

As informações vêm de algumas publicações de Musk no Twitter, em que afirma que a empresa está iniciando um programa para produzir combustível a partir do gás — e inclusive convida a participação de interessados. Segundo ele, o uso de recursos locais para produzir combustível será de grande importância também para ocupar o Planeta Vermelho no futuro.

Continua após a publicidade

Vale lembrar que os foguetes Falcon 9, frequentemente usados em lançamentos da SpaceX, emitem grandes quantidades de dióxido de carbono, de modo que o assunto é de grande interesse para as operações da empresa. O processo de uso dos recursos locais para gerar combustível poderia ser feito através da captura direta do (“DAC”, na sigla em inglês).

Trata-se de um novo tipo de tecnologia que ainda está em etapas iniciais de desenvolvimento. Hoje, a maior planta de DAC do mundo fica na Islândia — ela iniciou as operações em setembro e é esperado que colete 4.400 mil toneladas do gás anualmente. Mesmo assim, a proposta de Musk intrigou alguns seguidores na rede social, que questionaram a viabilidade da empreitada.

Esta possível ação da SpaceX relacionada ao dióxido de carbono vem após a empresa ter anunciado o concurso Carbon Removal X Prize, no início do ano. Trata-se de uma competição criada para incentivar o desenvolvimento de tecnologias de remoção de carbono que possam remover até mil toneladas do composto anualmente. Os vencedores serão premiados com US$ 100 milhões.

Fonte: Via: Futurism, Bloomberg