SpaceX lança mais satélites Starlink, mas perde propulsor de foguete Falcon 9

Por Danielle Cassita | 16 de Fevereiro de 2021 às 11h30
Reprodução/SpaceflightNow/Twitter
Tudo sobre

SpaceX

Saiba tudo sobre SpaceX

Ver mais

Nesta segunda-feira (15), a SpaceX lançou mais uma leva de satélites Starlink, composta por 60 unidades, com o foguete reutilizável Falcon 9. Os satélites foram levados para a órbita com sucesso, mas o primeiro estágio do veículo apresentou uma falha desconhecida e acabou não pousando na plataforma flutuante, que estava no Oceano Atlântico.

O foguete deveria ter sido lançado no domingo (14), mas acabou ficando no solo devido às más condições climáticas. Após o lançamento, o Falcon 9 seguiu na direção nordeste; cerca de dois minutos depois, o primeiro estágio do veículo foi liberado, enquanto o motor do segundo estágio foi ativado para levar o conjunto de satélites para a órbita. Passados mais alguns minutos, o propulsor já voltava para pousar na embarcação “Of Course I Still Love You”.

Para isso, seria necessário ativar três dos nove motores do propulsor durante a queima de entrada e, depois, reativar apenas um deles para realizar a manobra de frenagem antes do pouso propriamente dito. Contudo, algo pareceu ter dado errado na primeira etapa: imagens de uma câmera a bordo do foguete mostraram que havia fogo depois da queima de entrada, e os dados de telemetria foram interrompidos pouco depois.

Depois, uma câmera na embarcação flagrou um brilho alaranjado no céu, e é provável que o foguete tenha caído no oceano após do ocorrido. Jessica Anderson, engenheira da SpaceX, comentou durante a transmissão ao vivo do lançamento que tudo seguia bem com o segundo estágio do foguete: “parece que não pousamos nosso booster na ‘Of Course I Still Love You’ nesta noite, e é uma pena que não o recuperamos, mas o segundo estágio está em uma trajetória nominal”.

Apesar de a SpaceX preferir recuperar os estágios do Falcon 9 para poder reutilizá-los, a empresa já declarou que a missão primária é sempre levar a carga útil para a órbita, o que foi cumprido com sucesso: o segundo estágio do foguete levou os 60 satélites Starlink para a órbita a cerca de 300 km de altitude. Os satélites foram liberados aproximadamente uma hora depois da decolagem, e ativaram seus propulsores para seguirem para a órbita operacional, a 550 km de altitude.

Ainda não há informações oficiais da empresa sobre a falha do booster durante a tentativa de pouso. De acordo com a SpaceX, a versão mais recente do Falcon 9 pode voar até 10 vezes, precisando apenas de algumas inspeções e atualizações mínimas entre as missões. Se for realizada uma manutenção mais completa, é possível aumentar a quantidade de lançamentos.

Com o sucesso da missão, a SpaceX já passa dos mil satélites na constelação Starlink, e segue em direção à reta final do objetivo inicial de ter cerca de 1.500 deles na órbita até o fim do ano. Depois disso, a empresa deverá lançar mais unidades para garantir cobertura global de internet — a Federal Communications Commission, a agência reguladora dos Estados Unidos, concedeu a autorização para a operação de até 12 mil satélites. Agora, outro lançamento deverá ocorrer em 17 de fevereiro, com um Falcon 9 diferente.

Fonte: Spaceflightnow, Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.