Sonda Hope fotografa vulcão marciano Olympus Mons, o mais alto do Sistema Solar

Por Danielle Cassita | 18 de Março de 2021 às 19h30
Reprodução/Emirates Mars Mission/EXI

Em fevereiro, a sonda Hope Mars, dos Emirados Árabes Unidos (UAE), entrou na órbita de Marte após viajar por sete meses. Agora, a espaçonave segue orbitando o Planeta Vermelho para se preparar para analisar a atmosfera de Marte. Enquanto isso, um de seus instrumentos produziu uma imagem espetacular de Olympus Mons, o maior vulcão no Sistema Solar, que foi divulgada pelo país nesta quinta-feira (18).

Antes de iniciar seus trabalhos científicos, a Hope precisa realizar alguns ajustes de órbita, que devem acontecer nas próximas semanas. Enquanto isso, a sonda vem testando seus três instrumentos — entre eles, está o Emirates Exploration Imager (EXI), uma câmera com resolução de 12 megapixels que fez o registro abaixo, quando a sonda se encontrava a 13 mil km acima da superfície do Planeta Vermelho. A imagem mostra Olympus Mons, um vulcão de 21 km de altura e 600 km de diâmetro.

Confira o registro:

De acordo com a equipe da missão, o EXI produz trios de imagens, cada uma focada na luz vermelha, azul ou verde. Depois, essas imagens são combinadas para produzir um resultado que fique mais agradável aos olhos humanos. Além destas informações, os UAE também publicaram mais alguns dados sobre os outros instrumentos da sonda, como o Emirates Mars Infrared Spectrometer (EMIRS), que mede como acontece o fluxo de calor entre a superfície do planeta e sua atmosfera.

Já o Emirates Ultraviolet Spectrometer (EMUS) mede a abundância de compostos como monóxido de carbono, o hidrogênio e oxigênio. O instrumento também registrou algumas imagens em diferentes comprimentos de onda, que conferem informações sobre a atmosfera superior de Marte. Nas imagens abaixo, cada cor representa uma informação: violeta e azul indicam a luz solar sendo refletida na nuvem de hidrogênio que envolve Marte, enquanto a imagem verde mostra a luz refletida nos átomos de oxigênio da atmosfera superior. O vermelho mostra uma combinação de emissões de monóxido de carbono e, por fim, o laranja mostra a ação de elétrons, que fazem os átomos de oxigênio brilhar.

A ideia é que a sonda fique posicionada para orbitar Marte a cada 55 horas, para coletar dados sobre os fenômenos atmosféricos que acontecem por lá durante um ano marciano inteiro — ou seja, ao longo de 687 dias terrestres. Isso será feito com os três instrumentos científicos presentes na Hope Mars, que vão verificar como os átomos de hidrogênio e oxigênio foram para o espaço, além de analisar as camadas atmosféricas e o clima do planeta. Assim, os cientistas vão poder entender melhor como Marte perdeu parte de sua atmosfera nos últimos bilhões de anos.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.