Rover Curiosity tira nova selfie em Marte, desta vez em frente ao "Mont Mercou"

Por Danielle Cassita | 31 de Março de 2021 às 19h20
Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS

O rover Curiosity, que já passa dos 8 anos (terrestres, vale lembrar) de exploração em Marte, começou a se aproximar de uma região que recebeu o apelido de Mont Mercou, inspirado no nome de uma montanha na França. Assim, enquanto chegava mais perto da formação durante o 3.060º dia marciano de sua missão, o rover fez uma nova e simpática selfie com a câmera Mars Hand Lens Imager (MAHLI), em que é possível observar as rochas ao fundo e uma cavidade aberta para a coleta de amostras.

É comum que as equipes das missões deem apelidos para locais, rochas e outras formações geológicas de interesse em Marte, para que assim consigam identificá-las mais facilmente. Neste caso, o Mont Mercou “original” que inspirou o nome escolhido pelos cientistas fica próximo do vilarejo de Nontron, na França. A equipe decidiu dar este apelido à formação porque as sondas que orbitam Marte identificaram nontronita na região, que é um tipo de mineral que também ocorre próximo de Nontron.

(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS)

A nova selfie do Curiosity foi feita com 60 imagens produzidas pela câmera Mars Hand Lens Imager (MAHLI), que fica no braço robótico do rover. Depois, as imagens foram combinadas a outras 11, feitas pelo instrumento Mastcam, na "cabeça" do rover. Na imagem, é possível observar robô à frente do monte, com um novo buraco aberto em uma rocha coletada. A rocha, chamada de Nontron, é a 30º amostra obtida até o momento durante a missão, que foi pulverizada antes de ser levada aos instrumentos do rover para a equipe estudar a composição dela e as pistas que pode oferecer sobre o passado de Marte.

A região em que ela foi obtida é uma área de transição na composição do solo, que pode ajudar a revelar o que aconteceu com o Planeta Vermelho para transformá-lo no mundo árido que vemos hoje. Além da selfie, o robô exploratório utilizou a Mastcam para produzir algumas imagens panorâmicas do monte, que renderam um efeito interessante: ao fotografar um panorama de 40 m de distância do lugar, se deslocar e produzir outro com a mesma distância, as imagens finais ficaram com um efeito de profundidade que lembra um pouco aquele dos visores 3D.

Animação com os panoramas do monte produzidos (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS)

As duas imagens foram feitas em 4 de março, que é também o 3.049º dia marciano da missão, e as cores foram equilibradas para ficarem mais parecidas com o que veríamos nas condições da Terra, durante o dia. Ao estudar as imagens em diferentes ângulos, os cientistas conseguem entender melhor as camadas do Mount Mercou.

Lançado em novembro de 2011, o Curiosity pousou em Marte no final do ano seguinte para analisar nosso vizinho — e, nisso, ocasionalmente ele tira selfies, que registram como estavam o solo e outras formações no local antes de serem perfuradas para a coleta de amostras. No ano passado, o robô quebrou o recorde de terreno mais íngreme já escalado, e registrou o momento em um "retrato". Já em 2019, outra selfie foi usada para celebrar o sucesso de um experimento químico feito em solo marciano.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.