SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Relatório diz que satélites Starlink podem ser perigosos e SpaceX responde

Por| Editado por Patricia Gnipper | 25 de Outubro de 2023 às 17h19

Link copiado!

SpaceX
SpaceX

A SpaceX solicitou à Administração Federal de Aviação (FAA), agência reguladora de voos nos Estados Unidos, que faça uma correção em um relatório publicado em outubro. O documento aponta que os satélites Starlink, da empresa, vão ser responsáveis por 85% dos riscos a pessoas em solo e para a aviação durante a reentrada pela atmosfera.

O relatório foi produzido considerando que a constelação de satélites vai continuar crescendo, e que fragmentos deles podem resistir à reentrada atmosférica. Se estes cenários se concretizarem, em 2035 é esperado que a quantidade total de fragmentos perigosos chegue a 28 mil.

Já a quantidade de casualidades (o número de pessoas em solo que podem ser feridas ou mortas por detritos que resistiram à reentrada) seria de 0,6 a cada ano. Isso significa que, a cada dois anos, é esperado que uma pessoa seja ferida ou morta por algum destes objetos.

Continua após a publicidade

Em resposta, a SpaceX declarou em uma carta que as alegações de possíveis riscos de ferimentos e mortes associadas aos Starlink são “absurdas, injustificadas e imprecisas”. Segundo a empresa fundada por Elon Musk, “a análise é profundamente falha” e não pode ser aplicada aos seus satélites.

De acordo com a companhia, os Starlink são projetados e construídos para serem totalmente destruídos durante a reentrada atmosférica, após o fim de suas vidas úteis de aproximadamente cinco anos. No momento, equipes técnicas da FAA estão em contato com a SpaceX para rever e atualizar os dados.

No momento, há aproximadamente cinco mil satélites Starlink na órbita baixa da Terra, mas a empresa planeja aumentar este número para 40 mil. Além da SpaceX, empresas como OneWeb e Amazon também estão trabalhando em suas próprias constelações de satélites.

Continua após a publicidade

Fonte: FAA, CNN