Registrada 1ª imagem de sistema multiplanetário ao redor de estrela como o Sol

Por Danielle Cassita | 22 de Julho de 2020 às 18h10
ESO/Bohn et al/PA

O telescópio Very Large Telescope (VLT), que faz parte do Observatório Europeu do Sul (ESO), registrou a primeira imagem de um sistema multiplanetário ao redor de uma estrela que faz parte da mesma categoria do nosso Sol. Ao seu redor, estão dois exoplanetas gigantes, e essa é a primeira foto direta que mostra mais de um exoplaneta orbitando a mesma estrela.

A estrela, que recebeu o nome TYC 8998-760-1, é orbitada por dois gigantes gasosos em distâncias equivalentes a 160 e 320 vezes àquela entre a Terra e o Sol. Para entender melhor, podemos comparar essa distância aos nossos vizinhos: isso significa que estes planetas estão bem mais longe do que Júpiter e Saturno estão da nossa estrela. A equipe também descobriu que o exoplaneta mais interno tem 14 vezes a massa de Júpiter, enquanto o mais externo, seis vezes.  

Os exoplanetas indicados pelas setas (Imagem: ESO/Bohn et al/PA)

Alexander Bohn, aluno de PhD na Universidade de Leiden, na Holanda, descreve a imagem como uma foto de um ambiente muito parecido com nosso Sistema Solar, mas que está em um estágio de evolução bem mais precoce. Registrar dois ou mais exoplanetas orbitando a mesma estrela é algo pouco comum - tanto que, na última vez que isso ocorreu, apenas dois sistemas deste tipo foram observados diretamente, sendo que ambos estavam orbitando estrelas diferentes do nosso Sol. 

Muito do sucesso dessa observação vem da alta performance do VLT, que conta com o instrumento SPHERE, responsável por bloquear o brilho da luz das estrelas e permite ver planetas menos brilhantes. Com isso, a equipe reuniu imagens fotografadas ao longo do ano passado a dados coletados desde 2017, e conseguiu confirmar que os dois planetas compõem o sistema da estrela TYC 8998-760-1. Nas observações futuras com o Extremely Large Telescope (ELT), do ESO, os astrônomos vão descobrir mais sobre a interação dos planetas, além de verificar se eles foram formados em suas localizações atuais ou se migraram de alguma outra região.

 

Fonte: ESO

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.