Novo tipo de aurora descoberto por fotógrafos amadores é apelidado de "as dunas"

Por Patrícia Gnipper | 30 de Janeiro de 2020 às 15h35
Pirjo Koski

Auroras polares são fenômenos visuais tão belos que se tornam atração turística em regiões onde ocorrem, com uma imensidão de pessoas constantemente visitando países como Finlândia e Noruega para filmar e fotografar o momento. E fotógrafos amadores que documentam auroras registraram, pela primeira vez, um novo tipo de aurora que foi apelidado de "as dunas".

O registro aconteceu na Finlândia em outubro de 2018, e os amadores enviaram seu material a cientistas espaciais da Universidade de Helsinque para análise. Então, os cientistas criaram uma teoria para explicar como esse novo tipo de aurora teria se formado, com o estudo sendo publicado no periódico AGU Advances.

A suspeita é que as "dunas" seriam manifestações visuais de ondulações do ar, chamadas de ondas atmosféricas. Se a teoria estiver correta, as dunas de aurora podem fornecer uma nova maneira de se compreender parte da atmosfera superior da Terra (a ionosfera), região que é bastante difícil de ser estudada e que fica a partir de de 80 quilômetros acima da superfície do planeta, podendo se estender a até 600 km de altitude. É nessa região que as auroras ocorrem, mesma região em que ficam posicionados diversos satélites e a Estação Espacial Internacional (ISS).

"Pela primeira vez, podemos realmente observar as ondas atmosféricas através da aurora — isso é algo que não havia sido feito antes", disse Minna Palmroth, física espacial da Universidade de Helsinque e principal autora do novo estudo. Frequentemente, auroras aparecem em formato ondulado em cortinas verticais, mas as dunas observadas recentemente se apresentaram horizontalmente, com finos feixes de luz verde se estendendo em direção ao horizonte. E, segundo consta no estudo, "as dunas apresentam uma nova oportunidade de investigar o acoplamento da atmosfera baixa/média à termosfera e ionosfera".

Auroras boreais em formato de dunas fotografadas em outubro de 2018 em diferentes regiões da Finlândia. As duas fotografias foram tiradas simultaneamente, e as dunas aparecem marcadas por círculos e números em magenta, se estendendo em direção ao horizonte (Foto: AGU Advances/Palmroth)

O que são auroras polares

Auroras são fenômenos luminosos que ocorrem nas camadas superiores da atmosfera, e observadas em regiões polares. As do polo norte são chamadas de auroras boreais, enquanto as que acontecem no polo sul levam o nome de auroras austrais.

O show de luzes no céu surge quando partículas elétricas do Sol são trazidas à Terra por meio dos ventos solares, atraídas pelo campo magnético do planeta. Quando alcançam a atmosfera, tais partículas interagem com átomos de oxigênio e nitrogênio presentes ali, sendo que essa interação produz radiação em vários comprimentos de onda — o que, por fim, produz as cores e formas das auroras. As luzes avermelhadas são resultado da interação com o nitrogênio, enquanto as luzes esverdeadas são fruto da interação com o oxigênio.

E o fenômeno não é exclusivo do nosso planeta: auroras também aparecem em outros mundos que possuem campo magnético e atmosfera, incluindo Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Também é possível reproduzir auroras artificiais em laboratório.

Fonte: AGU

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.