Novo telescópio da Austrália produz mapa do universo em apenas 300 horas

Por Danielle Cassita | 02 de Dezembro de 2020 às 22h00
Reprodução/CSIRO

A Austrália conta com um novo radiotelescópio poderosíssimo. O Australian Square Kilometre Array Pathfinder (Askap), produzido pela agência nacional de ciência Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO), quebrou recordes durante a realização do primeiro estudo de todo o céu do hemisfério sul: em apenas 300 horas, o telescópio mapeou três milhões de galáxias, produzindo dados importantíssimos das profundezas do universo.

O estudo, que recebeu o nome Rapid ASKAP Continuum Survey, pode ser entendido como uma espécie de Google Maps do universo, onde milhões de pontos de luz semelhantes a estrelas no mapa são, na verdade, galáxias distantes — sendo que cerca de um milhão delas é desconhecida para nós. Isso porque o instrumento tem campo de visão bastante amplo, que permite realizar imagens panorâmicas do céu com uma incrível riqueza de detalhes. Com a qualidade dos receptores do telescópio, a equipe precisou apenas combinar 903 imagens para obter um mapa que abrange 83% do céu.

As instalações do telescópio ficam em um deserto da Austrália Ocidental (Imagem: Reprodução/CSIRO)

Essa quantidade é bem menor do que as dezenas de milhares de imagens necessárias para estudos feitos por outros telescópios. Isso foi feito com as capacidades de hardware e software do telescópio, que processaram os 13,5 exabytes — ou seja, 13,5 bilhões de gigabytes — de dados brutos gerados. Além disso, estes dados foram produzidos a uma taxa mais rápida do que todo o tráfego de internet do país. Para a CSIRO, os resultados obtidos provam que estudos do tipo podem ser feitos em semanas, não em anos.

Assim, a CSIRO espera que os astrônomos possam utilizar os novos dados para analisar estatisticamente grandes populações de galáxias da mesma forma com cientistas sociais usam informações de censos nacionais. Karen Andrews, ministra federal de ciência e tecnologia, disse que o Askap é um exemplo da capacidade de liderança da Austrália em radioastronomia e coloca os cientistas, engenheiros e indústria na liderança das descobertas para as próximas gerações: “esse novo estudo prova que estamos prontos para dar um passo gigantesco em direção à área da radioastronomia”, declarou.

David McConnell, autor líder do estudo e astrônomo da CSIRO, descreve a importância dos dados obtidos pelo telescópio: “este censo do universo vai ser usado por astrônomos em todo o mundo para explorar o desconhecido e estudar tudo, desde a formação das estrelas até como as galáxias e seus buracos negros supermassivos evoluem e interagem”. Nos próximos passos, os cientistas esperam encontrar também dezenas de milhões novas galáxias. As imagens e catálogos do estudo serão disponibilizados publicamente através do CSIRO Data Access Portal

O artigo com os resultados iniciais do estudo foram publicados na revista Publications of the Astronomical Society of Australia.

Fonte: The Guardian, CSIRO

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.