NASA fica mais distante do orçamento necessário para o Programa Artemis em 2021

Por Daniele Cavalcante | 08 de Julho de 2020 às 17h20
NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

A Câmara dos Estados Unidos não pretende aprovar o pedido financiamento para a NASA proposto pela Casa Branca no início do ano. A administração Trump havia solicitado um aumento de 12% em relação ao financiamento aprovado no ano anterior para que a agência espacial pudesse cumprir a agenda de enviar astronautas de volta à Lua até 2024.

No entanto, a Câmara não parece apoiar essa proposta. Na última terça-feira (7), o House Appropriations Committee (comitê da Câmara dos Deputados responsável pela aprovação de projetos de orçamento, ao lado de outro comitê do Senado) divulgou sua última proposta de lei de financiamento para o ano fiscal de 2021, incluindo o orçamento que será destinado à NASA.

O projeto do comitê daria à agência espacial um orçamento total de US$ 22,63 bilhões para o próximo ano, a mesma quantia que a agência recebeu para 2020. Esse valor é quase US$ 3 bilhões a menos dos US$ 25,2 bilhões que a Casa Branca solicitou, e a preocupação é que a NASA não consiga levar adiante todos os projetos relacionados ao Programa Artemis.

Ilustração da futura base do programa Artemis, que estabelecerá a presença humana permanente na Lua (NASA)

As coisas ficam ainda mais complicadas considerando que o planejamento da Casa Branca para apoiar a NASA em seu retorno à Lua inclui também um aumento anual. A proposta pedia um orçamento de US$ 26 ou US$ 27 bilhões nos próximos anos, até chegar a US$ 28,6 bilhões em 2023. Talvez o maior desfalque no financiamento proposto pela Câmara fique nas mãos dos desenvolvedores do módulo lunar humano, um elemento crucial para que os astronautas possam pisar na superfície da Lua.

Embora a Casa Branca tenha pedido que US$ 3,4 bilhões fossem reservados para o desenvolvimento de pousos lunares humanos, o comitê da Câmara aprovou o suficiente para reservar apenas US$ 628,2 milhões aos sistemas pousos. Apesar disso, Jim Bridenstine, administrador da NASA, disse que este é “um primeiro passo importante”, acrescentando que ainda pretende “trabalhar com o Senado para garantir que os EUA tenham os recursos necessários para desembarcar a primeira mulher e o próximo homem na Lua em 2024”.

Mas uma vitória ainda este ano parece cada vez mais distante para a NASA. O Congresso está redistribuindo o dinheiro disponível nos cofres de acordo com as prioridades atuais, e os últimos meses foram bastante agitados - em especial devido aos protestos relacionados ao caso George Floyd. No entanto ainda há um caminho a ser percorrido. Os legisladores da Câmara revisarão o projeto de lei proposto pelo comitê e, em seguida, o comitê do Senado divulgará seu próprio projeto de financiamento. Só então, será decidido como conciliar as duas versões, caso haja diferenças entre elas.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.