NASA anuncia local de pouso do rover Mars 2020 no Planeta Vermelho

Por Wagner Wakka | 19 de Novembro de 2018 às 20h50
Divulgação/NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

O próximo rover que vai descer em Marte para coletar informações sobre o planeta já tem local de pouso. A NASA informou em coletiva nesta segunda-feira (19) que a cratera chamada Jezero será onde o Mars 2020 vai pousar no Planeta Vermelho.

O local é uma cratera de impacto com 500 metros de profundidade e 45 quilômetros de diâmetro. A agência acredita que este grande buraco tenha sido feito por algum corpo externo há algo entre 3,5 bilhões e 3,9 bilhões de anos.

Um dos motivos para a escolha do lugar é que os cientistas da NASA acreditam que há um grande potencial de encontrar assinaturas de que houve vida no local. Há uma grande possibilidade de que a cratera de Jezero tenha sido um antigo delta de um rio.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.
Gif mostra os três últimos locais possíveis para envio do Mars 2020 (Foto: Divulgação/NASA)

“Um delta é extremamente bom para preservação de bioassinaturas”, acredita o cientista do laboratório Jet Propulsion Laboratory, da NASA, Ken Farley. Com isso, o grupo aposta que a região é a mais propícia para encontrar possíveis rastros de vida no Planeta Vermelho. A agência espacial estudou a região por cinco anos até tomar esta decisão.

Ainda, caso realmente ali seja um local onde houve um delta de rio, é possível que haja não somente assinaturas de vida, mas também rochas que podem ajudar os cientistas a aprender mais sobre a história de Marte, através da decomposição.

Tais expectativas ficaram ainda mais fortes depois que os outros veículos, como Spirit, Opportunity e Curiosity, enviaram informação aos cientistas de que é possível que tenha havido vida no local. Logo a proposta do Mars 2020 é buscar esta evidência para que a NASA possa, enfim, cravar com certeza esta informação.

Além disso, a escolha do local passou pelo crivo de 5 critérios relacionados à capacidade de o local prover informações científicas sobre o planeta e alguma evidência de vida passada. Ao todo, havia uma dúzia de outras possibilidades que foram descartadas.

Segundo a NASA, a proposta não é entender como está Marte atualmente, mas como o planeta foi no passado. Ainda, entender mais sobre atmosfera e condições climáticas para possíveis empreitadas futuras com aeronaves tripuladas.

Cientistas da NASA acreditam que local possa ter sido antigo delta de um rio em Marte (Foto: Divulgação/NASA)

Outra preocupação da agência é que o local, embora possa ser excelente para pesquisas, não é o mais fácil para pouso do rover, o que pode colocar a missão em risco.

Apesar da escolha da região do pouso, vale lembrar que a missão do Mars 2020, como o próprio nome sugere, está agendada para ser lançada somente entre julho e agosto de 2020. O rover vai chegar a Marte em fevereiro do ano seguinte e deve funcionar no planeta pouco mais um ano.

Mas, antes disso, a NASA espera pousar a sonda InSight no próximo dia 26 e fazer medições pelo local. A nave foi lançada em maio e será a primeira missão marciana a estudar o interior do planeta, colhendo amostras de baixo da superfície e também estudando os fenômenos que foram chamados de "marsquakes" — análogos aos terremotos que temos em nosso planeta.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.