Megaflares em estrelas jovens são até 100 mil vezes mais poderosos que os do Sol

Por Daniele Cavalcante | Editado por Patrícia Gnipper | 18 de Junho de 2021 às 18h30
NASA/SDO

O Sol tem papel fundamental para a vida na Terra, mas sua participação na formação e evolução dos planetas em sua órbita vai muito além de emitir raios luminosos. Contudo, ainda não está muito claro para os cientistas quais processos solares influenciaram nosso planeta, e de que modo fizeram isso. Para ajudar a descobrir, um novo artigo científico estudou a atividade de 24 mil estrelas.

Um dos fenômenos estelares que provavelmente influenciam bastante em um planeta em formação é o chamado flare, nome para as erupções que liberam altos níveis de radiação e partículas em alta velocidade em direção ao espaço interplanetário. Nosso próprio Sol faz isso algumas vezes e ainda estamos apenas começando a compreender os mecanismos desses eventos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

As erupções solares podem ser fracas ou altamente poderosas, mas não se comparam com aquelas que ocorrem em estrelas jovens e mais ativas. Em seu novo estudo, a dupla de cientistas Konstantin V. Getman e Eric D. Feigelson, da Universidade Estadual da Pensilvânia, observou superflares e megaflares de estrelas na fase de pré-sequência principal (estrelas PSP). A fonte de energia das PSP é a contração gravitacional, e não a fusão do hidrogênio, como é o caso das estrelas de sequência principal.

Embora pareçam grandes, as erupções solares ilustradas aqui são miniflares e nanoflares (Imagem: Reprodução/ISAS/JAXA)

Cada uma das estrelas analisadas tem menos de 5 milhões de anos, ou seja, muito jovens em comparação ao Sol, de 4,5 bilhões de anos. Por isso, espera-se que elas apresentem maior atividade e flares mais energético, e foi exatamente isso o que a dupla encontrou. Mais de mil estrelas emitiram erupções mais poderosas do que qualquer coisa que nosso Sol poderia produzir — 100 mil vezes mais energia do que o evento Carrington, a poderosa tempestade solar ocorrida em 1859 durante o auge do ciclo solar.

Esses superflares impressionantes são emitidos pelo menos uma vez por semana, mas isso ainda não é o mais fabuloso. Eles também encontraram estrelas emitindo megaflares com até 10 milhões de vezes a energia da erupção solar de 1859, cerca de duas vezes por ano. Essas atividades certamente causam algum impacto na evolução do disco protoplanetário ao redor dessas estrelas e nos próprios planetas em formação.

O alvo específico de estudo dos autores são explosões de raios-X e explosões de partículas carregadas que, quando lançadas pelo nosso Sol, são conhecidas como ejeções de massa coronal. Eles analisaram 55 eventos desse tipo em suas amostras e constataram que eles se assemelham aos equivalentes solares. "Descobrimos que essas chamas gigantes são como as do Sol, mas são muito ampliadas em energia e frequência e no tamanho de seus loops magnéticos", disseram.

Para os pesquisadores, "entender essas explosões estelares pode nos ajudar a entender as erupções mais poderosas e as ejeções de massa coronal do Sol", o que é fundamental para criar modelos da evolução do Sistema Solar e nos precavermos de futuros eventos de erupções solares, que podem ser muito prejudiciais aos componentes eletrônicos dos satélites em órbita e de outros equipamentos.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.