Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Lente gravitacional revela supernova a 4 bilhões de anos-luz

Por| Editado por Patricia Gnipper | 12 de Junho de 2023 às 16h45

Link copiado!

NASA/CSC/M.Weiss
NASA/CSC/M.Weiss

Uma lente gravitacional ampliou uma supernova em 25 vezes, revelando-a para astrônomos. O fenômeno foi causado por uma galáxia, e pode ajudá-los a estudar o núcleo das galáxias, a matéria escura e mais.

Chamada SN Zwicky, a supernova foi identificada primeiro pelo levantamento Zwicky Transient Facility. Ela era tão brilhante que logo foi classificada como um objeto de interesse, e foi estudada através de imagens de diferentes observatórios.

Juntos, eles revelaram interessante: a supernova era brilhante porque sua luz foi ampliada por uma lente gravitacional. As lentes gravitacionais podem ser descritas como exemplos raros, mas práticos, da Teoria daRelatividade Geral, de Albert Einstein. Ela sugere que objetos massivos (como as galáxias) podem distorcer o tecido do espaço-tempo, afetando também a trajetória que a luz percorre.

Continua após a publicidade

Na prática, essa distorção permite que os cientistas observem objetos que estariam distantes demais para serem vistos de outra forma. O vídeo abaixo mostra a imagem da supernova "multiplicada" graças à lente:

Outros objetos já foram observados com a ajuda de lentes gravitacionais, como antigos buracos negros. Assim, o que torna a SN Zwicky ainda mais interessante é que ela pertence a uma classe de supernova que pode ajudar os cientistas a medir distâncias cósmicas.

Além disso, supernovas ampliadas como esta podem ser ferramentas promissoras para o estudo da energia escura e para refinar a taxa de expansão do universo. “Esta descoberta abre o caminho para encontrarmos mais destas supernovas ampliadas em estudos futuros, que vão nos ajudar a estudar eventos astronômicos transientes como supernovas e explosões de raios gama”, sugeriu Igor Andreoni, coautor do estudo.

Continua após a publicidade

O artigo que descreve as descobertas foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Nature Astronomy; Via: University of Maryland