Estudo sugere que "terremotos" de Marte são evidência de água subterrânea

Por Patrícia Gnipper | 28 de Junho de 2019 às 14h14

A sonda InSight, da NASA, está no momento em Marte medindo todo e qualquer abalo na superfície do planeta para registrar os chamados "marsquakes" (ou "martemotos"), análogos aos terremotos que temos aqui na Terra. Em março, a sonda detectou um abalo mínimo por lá e, em abril, foi detectado um tremor maior — este que pode ser o primeiro martemoto de verdade observado pela sonda.

Aqui na Terra, tremores do tipo podem acontecer causados pela injeção de águas residuais no subsolo, o que aumenta a pressão e leva ao deslizamento de falhas tectônicas. E, de acordo com um novo estudo publicado na revista Geophysical Research Letters, o mesmo poderia explicar os martemotos marcianos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Michael Manga, cientista planetário da Universidade da Califórnia, propõe que reservatórios comprimidos de água subterrânea podem existir em Marte, com a compressão acontecendo por conta das temperaturas geladas do Planeta Vermelho, que congelam as camadas superiores de tais reservatórios. Ao ser congelada, a água se expande.

Mas provavelmente apenas essa compressão não é suficiente para fazer o chão tremer, literalmente. De acordo com o estudo, simulações de computador identificaram dois gatilhos em potencial: os "puxões" de maré da lua Fobos (a maior e mais próxima na órbita de Marte), e as mudanças na pressão barométrica que são causadas pelo aquecimento e resfriamento da fina atmosfera marciana.

Animação mostra a InSight posicionando seu sismógrafo no solo marciano (Imagem: NASA)

A partir de agora, a InSight poderá fazer observações específicas para ver se esta teoria se aplica à realidade. Em caso positivo, futuros exploradores marcianos poderiam usar os martemotos justamente para encontrar reservatórios subterrâneos de água, acessando esse recurso precioso no planeta que, à primeira vista, parece ser completamente árido.

E o melhor: não seria necessário nenhum tipo de bombeamento para tirar a água de lá. A água pressurizada subiria borbulhando à superfície por conta dos próprios processos geológicos.

Fonte: GeoSpace

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.