Esta foto do Hubble mostra os primeiros momentos de uma supernova explodindo

Esta foto do Hubble mostra os primeiros momentos de uma supernova explodindo

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 22 de Outubro de 2021 às 13h33
NASA, ESA, R. Foley (UC Santa Cruz)/J. DePasquale (STScI)

Recentemente, o telescópio espacial Hubble proporcionou a uma equipe de astrônomos um “lugar VIP” para acompanhar os primeiros momentos da morte de uma estrela. Junto de outros observatórios que estavam acompanhando a explosão da supernova, o Hubble foi configurado para coletar dados do material bem próximo da supernova, ejetado pela estrela durante seu último ano.

A supernova em questão é a SN 2020fqv, localizada a aproximadamente 60 milhões de anos-luz de nós, na constelação de Virgem, e foi descoberta no ano passado pelo levantamento Zwicky Transient Facility, realizado pelo Palomar Observatory. Como o telescópio Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) também a estava observando, eles prepararam o Hubble e outros observatórios em solo para acompanhá-la.

Como resultado, os observatórios proporcionaram uma visão completa da estrela em uma das primeiras etapas de sua morte. O Hubble conseguiu observar o material circunstelar, que fica bem pertinho dela, a apenas algumas horas após a explosão. O material foi ejetado pela estrela em seu último ano de vida e, assim, os astrônomos conseguiram entender o que aconteceu com ela em seus momentos finais. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Com as observações do material próximo da supernova, feitas pelo Hubble, os pesquisadores conseguiram entender melhor os momentos finais da estrela (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, Ryan Foley (UC Santa Cruz); Processamento: Joseph DePasquale (STScI)

Samaporn Tinyanont, autor líder do estudo, ressaltou que, como o material circunstelar é visível por um período muito curto, ele raramente pode ser observado. “Para essa supernova, conseguimos fazer observações ultra rápidas com o Hubble, conseguindo uma cobertura sem precedentes da região próxima à estrela que explodiu”, disse ele. Para isso, eles trabalharam com observações da estrela realizadas na década de 1990, junto de imagens obtidas um pouco antes da explosão, durante e depois. 

Em seguida, o Hubble foi usado novamente algumas horas após a detecção da explosão, permitindo também análises do material circunstelar e, assim, conseguiram recriar os momentos finais da estrela antes da supernova acontecer. “Esta é a visualização mais detalhada de estrelas como essa em seus últimos momentos, e de como elas explodem”, descreveu Ryan Foley, pesquisador que liderou a equipe responsável pela descoberta. Eles concluíram que a estrela tinha entre 14 e 15 massas solares, uma informação de grande importância para entenderem como as estrelas massivas vivem e morrem. 

Os autores apelidaram a SN2020fqv de “Pedra de Roseta das supernovas” em referência à antiga Pedra de Roseta, um fragmento de granito que ajudou especialistas a desvendarem hieróglifos do Egito. “As pessoas usam muito o termo ‘Pedra de Roseta’, mas esta foi a primeira vez que conseguimos verificar a massa através de três métodos para uma supernova, sendo que todos são consistentes”, comentou Tinyanont. 

Como as estrelas ficam mais ativas antes de explodir, ele considera que a atividade delas precisa ser levada mais a sério, como se fossem "sistemas de alarme". “Se você ver uma estrela tremulando ou começando alguma atividade, talvez devêssemos prestar mais atenção e tentar entender o que está acontecendo antes que exploda”, explicou ele. “Conforme encontrarmos cada vez mais supernovas com dados excelentes como esses, vamos entender melhor o que acontece nos últimos anos da vida das estrelas”.  

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society e pode ser acessado aqui, sem revisão de pares.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.