Detritos de satélite destruído pela Índia permanecerão em órbita por um ano

Por Patrícia Gnipper | 10 de Abril de 2019 às 09h12
AGI

De acordo com análise da Analytical Graphics Inc (AGI), pelo menos uma dúzia de fragmentos do satélite destruído por um míssil indiano em março atingiu altitudes acima de mil quilômetros. Isso significa que tais detritos permanecerão na órbita do planeta por pelo menos um ano — tempo muito maior do que o estimado pelo país, que seria de 45 dias —, sendo que um fragmento foi localizado a 2.222 km de altitude, quase oito vezes mais alto do que a região onde o satélite foi interceptado.

"Muitos fragmentos já entraram novamente [na atmosfera do planeta] nos primeiros dois dias, e depois haverá um grupo de fragmentos que entrará novamente dentro de um a dois meses, mas há alguns fragmentos que podem ficar lá por um ou até dois anos", disse Dan Oltrogge, pesquisador sênior da AGI.

A Força Aérea dos Estados Unidos disse, dois dias após a missão indiana, que já estavam rastreando 250 fragmentos criados com a explosão, que aconteceu a 280 km de altitude. No início de abril, Jim Bridenstine, administrador da NASA, lamentou a ação indiana e disse que ela representa riscos para a Estação Espacial Internacional, que está a 400 km de altitude. E, bem, agora chega a confirmação de que alguns detritos realmente "voaram" a altitudes mais elevadas do que o previsto pela Índia, com a ISS podendo ser afetada caso algum pedacinho de satélite destruído a atinja em altas velocidades.

Os dados da AGI também mostram que vários satélites russos de sensoriamento remoto estão entre as 25 espaçonaves com maior risco de cruzar com algum detrito do teste ASAT indiano, além de um satélite de mapeamento eólico da ESA, a agência espacial europeia. A ISS fica na lista dos 60 artefatos espaciais potencialmente ameaçados pelos destroços.

Fonte: Space News

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.