Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Destaque da NASA: várias nebulosas na foto astronômica do dia

Por| Editado por Luciana Zaramela | 30 de Abril de 2024 às 13h34

Link copiado!

Deep Sky Collective
Deep Sky Collective

Nebulosas diversas apareceram na foto destacada pela NASA nesta terça-feira (30) no site Astronomy Picture of the Day. Elas foram registradas pela equipe do coletivo Deep Sky, que flagraram o trio de nuvens de gás e poeira junto de algumas das estrelas que podem estar por trás da sua formação.

Apesar de a foto mostrar três nebulosas, somente duas delas estão relacionadas ao sistema estelar GK Per. Também conhecido como Nova Persei 1901, o grupo de estrelas fica a 1.500 anos-luz da Terra. 

Foi ali que aconteceu uma nova (um tipo de explosão estelar), considerada a segunda mais próxima que conhecemos. No sistema, está uma estrela anã branca, que é o núcleo que sobrou após a explosão do astro que era parecido com o Sol. 

Continua após a publicidade

Na foto, ela aparece cercada pela Nebulosa dos Fogos de Artifício, que pode ser encontrada facilmente graças ao seu formato circular. Ela é feita dos gases liberados pela explosão que ocorreu na superfície da anã branca e que foi visto em 1901. 

Já o brilho avermelhado ao redor da nebulosa vem da atmosfera que cercava a estrela central ali. O gás foi liberado antes da nova acontecer, e agora formou uma nebulosa planetária difusa.

O que é uma nova?

As supernovas acontecem quando estrelas chegam ao fim dos seus ciclos e explodem. A luminosidade liberada é tanta que as supernovas podem ofuscar facilmente galáxias inteiras, liberando mais energia do que o Sol vai emitir em seu ciclo.

Já as novas são eventos astronômicos temporários, que fazem com que uma nova estrela pareça surgir no céu; após algumas semanas ou meses, ela desaparece. Elas acontecem quando as estrelas voltam a brilhar após alguns anos adormecidas. 

A nova causada por GK Persei, por exemplo, brilhava tanto que poderia ser comparada às estrelas mais brilhantes do céu. Em apenas dois dias, seu brilho aumentou 10 mil vezes.

Fonte: APOD