Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Destaque da NASA: grande nebulosa é a foto astronômica do dia

Por| Editado por Luciana Zaramela | 19 de Abril de 2024 às 13h15

Link copiado!

Demison Lopes
Demison Lopes

A grande Nebulosa Carina está na foto destacada pela NASA nesta sexta-feira (19) no site Astronomy Picture of the Day. Esta nuvem de poeira cósmica fica a 7.500 anos-luz de nós e se estende por 300 anos-luz, o que a torna uma das maiores regiões de formação estelar na Via Láctea.

Assim como a Grande Nebulosa de Órion, a Nebulosa Carina é facilmente vista a olho nu — inclusive no céu do hemisfério sul! Mas caso você esteja em um local com condições desfavoráveis para vê-la,pode conferir sua beleza na foto destacada.

A imagem destaca vários detalhes dos filamentos de gás interestelar e das nuvens de poeira da nebulosa. Ali, existem estrelas jovens, quentes e extremamente massivas.

Continua após a publicidade

Uma delas é Eta Carinae, um sistema estelar binário onde estão duas estrelas massivas, orbitando uma à outra. Os ventos estelares são tão potentes o suficiente para 10 milhões de quilômetros por hora. Para encontrá-la, procure-a na região acima da parte superior da foto. 

O par de estrelas ali cria alguns fenômenos curiosos. Um deles é a Grande Erupção, evento que tornou o sistema o objeto mais brilhante no céu há cerca de 170 anos; hoje, já sabemos que tal explosão foi causada pela estrela maior no sistema, que expeliu grandes quantidades de gás e poeira em pouco tempo.

Nebulosa Carina

Como você viu na foto, a Nebulosa Carina é uma grande nuvem de gás e poeira onde há estrelas nascendo enquanto outras morrem. A estrutura da nebulosa é esculpida o tempo todo pela ação de ventos, junto da radiação ultravioleta vinda das estrelas massivas ali.

Estas gigantes cósmicas destroem o material por perto, que era vestígios da grande nuvem de matéria a partir da qual as estrelas se formaram. Os astrônomos estimam que ali existem pelo menos 12 estrelas brilhantes com algo entre 50 e 100 vezes a massa do Sol. 

Observações da Nebulosa Carina revelaram que existem pequenos glóbulos ali, que parecem estar formando estrelas. Se o processo for confirmado, então é possível que alguns destes glóbulos sejam como versões da nuvem de poeira que deu origem ao Sol e ao Sistema Solar há bilhões de anos.

Fonte: APOD