Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Destaque da NASA: detecção da partícula Amaterasu é foto astronômica do dia

Por| Editado por Patricia Gnipper | 05 de Dezembro de 2023 às 13h30

Link copiado!

OSAKA METROPOLITAN UNIVERSITY/KYOTO UNI
OSAKA METROPOLITAN UNIVERSITY/KYOTO UNI

A foto destacada pela NASA no site Astronomy Picture of the Day nesta terça-feira (5) é uma ilustração, que representa a descoberta de uma das partículas mais energéticas conhecidas. Ela foi detectada em 2021 e recebeu o apelido de Amaterasu, nome da divindade do Sol na mitologia japonesa.

Assim como acontece com os outros raios cósmicos que atingem a atmosfera da Terra, a partícula causou uma verdadeira chuva de elétrons, prótons e de outras partículas elementares.

Continua após a publicidade

Na imagem, vários raios cósmicos aparecem atingindo as instalações do Telescope Array em Utah, nos Estados Unidos. Trata-se de um experimento formado por centenas de detectores, que juntos, cobrem uma área ampla para identificar raios cósmicos.

Raios deste tipo incidem frequentemente sobre a Terra e são formados por partículas elementares e núcleos atômicos bastante energéticos, como núcleos de hidrogênio. Também é comum que tenham outras partículas, como elétrons, pósitrons, raios gama e neutrinos.

Partícula Amaterasu

A partícula Amaterasu tem energia acima de 240 exa-elétron-volts (EeV). Isso significa que ela é milhões de vezes mais energética que as partículas produzidas no Grande Colisor de Hádrons, o acelerador de partículas mais poderoso já feito.

Continua após a publicidade

John Matthews, coautor do estudo que descreve a descoberta, comentou que “as coisas que as pessoas consideram energética, como supernovas, não são nem de perto tão energéticas quanto isso”.

Para os pesquisadores, Amaterasu parece indicar a existência de algum fenômeno extremamente intenso no universo. É possível que ela tenha sido acelerada por alguma explosão de raios gama ou pelo jato expelido por um buraco negro supermassivo.

Fonte: APOD