Coração gelado de Plutão impulsiona circulação atmosférica do planeta-anão

Coração gelado de Plutão impulsiona circulação atmosférica do planeta-anão

Por Patrícia Gnipper | 05 de Fevereiro de 2020 às 17h05
NASA

A missão New Horizons descobriu, em 2015, que Plutão tem em sua superfície uma formação curiosa (e muito simpática) cujo formato lembra o de um coração — área que foi chamada de Região de Tombaugh, em homenagem a Clyde Tombaugh, que descobriu a existência de Plutão em 1930. Agora, um novo estudo publicado no Journal of Geophysical Research: Planets revela que o coração gelado do planeta-anão está "batendo", pois ele impulsiona os padrões de circulação atmosférica por lá.

O lobo esquerdo do coração é responsável pela maior parte da ação. Trata-se de uma planície de nitrogênio congelado que se estende a mais de 1.500 km de diâmetro, chamada Sputnik Planitia. Esse gelo de nitrogênio é vaporizado durante o dia, com a ação dos raios solares, e se condensa novamente à noite, o que causa a ocorrência de ventos de nitrogênio.

Tais ventos, então, transportam calor, partículas de neblina e grãos de gelo para o sentido oeste, o que rende as manchas mais escuras na paisagem. "Isso destaca o fato de que a atmosfera e os ventos de Plutão — mesmo que a densidade da atmosfera seja muito baixa — podem afetar a superfície", disse o principal autor do estudo, Tanguy Bertrand, astrofísico e cientista planetário da NASA.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Plutão visto pelo telescópio espacial Hubble (à esquerda) e pela sonda New Horizons (à direita), que revelou o coração na superfície (Foto: NASA)

Ainda, esses ventos direcionados para oeste é algo curioso, pois Plutão gira para o leste em seu eixo. Então, a atmosfera do planeta-anão exibe uma "retrorotação", nas palavras dos autores do estudo. Além de considerar dados obtidos pela New Horizons, Bertrand e sua equipe realizaram simulações em computador para criar um modelo do ciclo do nitrogênio e do clima de Plutão, entendendo melhor como funcionam os ventos de nitrogênio do planeta-anão. "A Sputnik Planitia pode ser tão importante para o clima de Plutão quanto os oceanos são para o clima da Terra", concluiu Bertrand.

Quando a New Horizons passou por lá, a sonda fez com que olhássemos para Plutão e suas luas de outra maneira, revelando que o antigo nono planeta do Sistema Solar é muito mais intrigante e complexo do que imaginávamos. O planeta-anão tem, em sua superfície, montanhas de gelo imponentes, além de uma fina atmosfera — o que reacendeu o debate quanto a Plutão ter sido rebaixado à categoria de planeta-anão em 2006.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.