Comandante do primeiro voo espacial tripulado da Boeing desiste do posto

Por Danielle Cassita | 07 de Outubro de 2020 às 18h45
NASA
Tudo sobre

Boeing

Saiba tudo sobre Boeing

Ver mais

Nesta quarta-feira (7), Christopher Ferguson, comandante executivo da Boeing e comandante do primeiro teste piloto da nave Starliner CST-100, anunciou que não fará mais parte dos testes e será substituído por Barry “Butch” Wilmore, astronauta veterano da NASA. Se tudo correr bem, a Starliner deverá voar para a Estação Espacial Internacional (ISS) em 2021, fazendo com que a Boeing seja mais uma empresa privada capaz de levar astronautas ao laboratório orbital.

Ferguson decidiu não voar por motivos pessoais. Em um tuíte, ele explicou: “vou participar de uma nova missão, uma que mantém meus pés plantados firmemente na Terra e prioriza a tripulação mais importante — minha família”. Ele ressaltou que continuará trabalhando duro junto da equipe em sua empresa e dos astronautas da NASA, e que tem um grande compromisso com os voos espaciais e dedicação ao programa da Starliner; a única mudança é que ele não irá para o espaço no ano que vem.

Como não vai mais voar, Ferguson, que já foi piloto e instrutor de testes de pilotagem, vai manter papel importante no desenvolvimento da Starliner, e irá atuar como diretor de Operações e Integração de Missão da Boeing e de Sistemas de Tripulação. Na prática, isso significa que ele irá garantir que a nave Starliner esteja alinhada às necessidades dos astronautas da NASA. Essa é a segunda mudança que ocorre na tripulação desde quando ele e os astronautas Eric Boe e Nicole Mann foram designados para o voo, em agosto de 2018.

Na função que assumiu, ele será uma das últimas pessoas que a tripulação verá antes de sair da Terra e uma das primeiras que verão quando voltarem, além de dar o apoio necessário para eles durante o treinamento e missão. “Tenho toda a confiança no veículo Starliner, nos homens e mulheres que estão construindo e testando e os astronautas da NASA que vão voar nele”, disse. Ferguson ressaltou que a equipe da Boeing aprendeu todas as lições do último teste de voo orbital não tripulado, e está trabalhando para o Starliner ser uma das naves mais seguras já feitas. “Estarei em solo dando apoio a eles enquanto provam isso”.

À esquerda, Barry Wilmore, e à direita, Christopher Ferguson(Imagem: Reprodução/NASA)

Com a mudança, Wilmore estará junto de Fincke e Mann para o teste de voo tripulado inaugural da espaçonave. Ele já vinha treinando com a tripulação desde quando recebeu a função de piloto reserva solo para todas as posições em 2018. Agora, Wilmore terá que direcionar seu foco para as tarefas de comandante da nave, para se preparar para o voo que irá testar as capacidades do novo sistema Starliner.

Kathy Lueders, administradora associada da diretoria Human Exploration and Operations Mission, da NASA, diz que “as experiências anteriores dele tanto em veículos espaciais quanto em missões na estação espacial o tornam uma adição valiosa para este voo”. Para ela, ele é um membro talentoso da tripulação para a missão, e as equipes da tripulação da Boeing e NASA apreciam o trabalho que ele veio desenvolvendo e que ainda fará, que irá garantir que o teste tripulado da Starliner seja um sucesso.

Fonte: NASA, SpaceflightNow

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.