SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Cientistas descobrem madeira ideal para satélite LignoSat

Por| Editado por Patricia Gnipper | 01 de Junho de 2023 às 10h38

Link copiado!

KyotoU Global Comms/Jake Tobiyama
KyotoU Global Comms/Jake Tobiyama

Cientistas da Universidade de Kyoto, no Japão, querem lançar o satélite de madeira LignoSat ao espaço no ano que vem. Para isso, eles realizaram testes na Estação Espacial Internacional (ISS) em que diferentes tipos de madeira foram expostos às condições espaciais — e, ao recuperar as amostras em janeiro deste ano, descobriram a madeira que pode ser ideal para o satélite.

O projeto do satélite LignoSat começou em abril de 2020 como uma colaboração entre a Universidade de Kyoto e a empresa Sumitomo Forestry. Para verificar se a empreitada era viável, eles levaram um pequeno painel com diferentes tipos de madeira para uma estadia de dez meses no módulo Kibo, da ISS.

“Apesar do ambiente extremo do espaço envolver mudanças de temperatura significativas e exposição a raios cósmicos intensos e partículas solares perigosas por 10 meses, testes confirmaram que não houve decomposição ou deformação, como rachaduras, torções ou danos na superfície”, observaram os cientistas da universidade.

Continua após a publicidade

Com os resultados, a equipe do LignoSat concluiu que deve usar madeira da magnólia para o satélite, porque ela mostrou maleabilidade relativamente alta, estabilidade dimensional e grande força. Se a madeira acabar se mostrando uma alternativa viável para a produção de satélites, ela pode oferecer alguns benefícios quando comparada às ligas metálicas que costumam ser usadas neles.

Quando saem de órbita, os satélites e seus componentes costumam ser queimados completamente; se algum componente resiste, ele é direcionado para descer a regiões remotas dos oceanos da Terra, para evitar danos a pessoas e propriedades. Já os satélites de madeira provavelmente seriam totalmente queimados durante a reentrada atmosférica, e qualquer fragmento que restasse poderia se decompor facilmente.

Fonte: Phys.org