Cientistas criam modelo para estudar o misterioso interior de Urano e Netuno

Por Danielle Cassita | 14 de Agosto de 2020 às 14h20
NASA

Existem condições físicas em mundos distantes que não podem ser reproduzidas em laboratórios. Então, para analisar os processos térmicos e elétricos que ocorrem na água em condições extremas de temperatura e pressão - como é o caso de Netuno e Urano -, cientistas da Scuola Internazionale Superiore di Studi Avanzati (SISSA) e da Universidade da Califórnia desenvolveram um método para modelar o que há no interior destes gigantes congelados de forma mais fácil e com menos custos. Os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista Nature Communications.

Este modelo analisa a condutividade elétrica e térmica da água nas condições que ocorrem nestes planetas e, assim, os pesquisadores puderam entender o que aconteceu nos gigantes em escalas de bilhões de anos. Eles suspeitam que ambos são compostos principalmente por água, e sugerem também que o núcleo de Urano pode ser congelado. "O hidrogênio e o oxigênio, junto do hélio, são os elementos mais comuns no universo. É fácil deduzir que a água é um dos componentes principais de muitos corpos celestiais", disseram em um comunicado. Isso explicaria o motivo de Urano não ser muito luminoso: com o núcleo congelado, pouquíssimo calor consegue se deslocar até a superfície do planeta.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Federico Grasselli)

A equipe analisou também a água que poderia existir em diferentes fases no interior de Netuno e Urano: a água poderia estar congelada, líquida e super iônica - e, neste último estado, ela encontra-se em um ponto curioso entre os estados líquido e sólido. E vale lembrar que a água em outros planetas é diferente daquela que temos na Terra: “essa água é diferente, mais densa, com moléculas dissociadas em íons positivos e negativos, além de carregar uma carga elétrica”, comentam os pesquisadores.

A água super iônica em Urano e Netuno é mais condutora do que a água da Terra, e eles acreditam que essa água poderia compor uma grande porção de camadas internas densas dos gigantes gasosos. Esses resultados são importantes para a compreensão do que forma estes dois planetas e como eles se tornaram o que são hoje: “a condução elétrica e térmica conta a história de um planeta, como e quando ele se formou, como se esfriou. É crucial analisá-la com as ferramentas apropriadas, como essa que desenvolvemos”.

Fonte: SISSA, Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.