China exibe ao público nave tripulada de nova geração, lançada ao espaço em 2020

China exibe ao público nave tripulada de nova geração, lançada ao espaço em 2020

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 14 de Outubro de 2021 às 16h10
CCTV

Durante o evento Airshow China 2021, realizado na cidade de Zhuhai, o país revelou ao público diversos itens e tecnologias aeroespaciais. Entre eles, estava a cápsula tripulada da nova geração do país, lançada em uma missão de testes no ano passado. Algumas novidades sobre o veículo foram reveladas no início do mês e, agora, os oficiais chineses trouxeram outros detalhes sobre a nova cápsula reutilizável.  

Em entrevista concedida à emissora China Central Television (CCTV), Huang Kewu, diretor do departamento de exploração lunar tripulada no Fifth Research Institute of the China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC), afirmou que a nova cápsula será parte crítica do futuro do programa espacial do país. “A nova geração de naves tripuladas foi criada para atender às necessidades das nossas operações da estação espacial e da exploração lunar tripulada no futuro”, explicou. 

A nave, que foi lançada no ano passado, em exposição no evento (Imagem: Reprodução/CCTV)

Para isso, a nova geração do veículo poderá comportar de seis a sete astronautas em missões orbitais ou quatro para missões na Lua. As naves Shenzhou, usadas atualmente, abrigam somente três taikonautas por vez. A cápsula terá massa de lançamento de 21,6 toneladas, e será a maior nave de retorno e reentrada já lançada pelo país, abastecida com uma das maiores quantidades de propelente.  

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O protótipo da nave foi lançado à órbita terrestre no ano passado com um foguete Long March 5B. Do lado direito, havia cerca de mil itens de suprimentos, equipados para verificar a capacidade de cargas da nave, enquanto o esquerdo foi configurado como uma área comum para os astronautas, com mesa dobrável e banheiro. A nave experimental ficou em órbita por 2 dias e 19 horas, e realizou experimentos de ciência espacial e tecnologia.

Segundo Huang, a China conseguiu alcançar avanços significativos em relação á proteção térmica e controle de precisão para o retorno e reentrada, além de melhorias no projeto do motor e segurança de pouso.”As conquistas nas tecnologias do transporte espacial tripulado nos permitiram dar um salto adiante e deixar ficar atrás daqueles que ditam o ritmo [da corrida espacial], para corrermos lado a lado. Isso pavimenta uma base tecnológica sólida para nossas viagens tripuladas rumo à Lua”, acrescentou.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.