Chang'e 5 | Nave chinesa chega à órbita lunar e se prepara para o pouso

Por Daniele Cavalcante | 30 de Novembro de 2020 às 17h00
All About Space/Future

A China anunciou que sua missão lunar Chang’e 5, lancada no dia 23 de novembro, tem sido bem sucedida até o momento. De acordo com a agência estatal de notícias Xinhua, a espaçonave chegou à órbita da Lua no sábado (28), e já está pronta para o processo de alunissagem (nome dado a um pouso lunar).

Após alcançar a órbita do satélite natural, o veículo orbitador e o veículo de pouso se separaram, preparando tudo para pousar na região Oceanus Procellarum. "A espaçonave está funcionando bem e a comunicação com o controle de solo está normal", disseram autoridades da Administração Espacial Nacional da China (CNSA). O objetivo da missão é coletar material de amostra da Lua pela primeira vez desde 1976, quando aconteceu a missão soviética Luna 24.

(Imagem: Reprodução/CAST)

Por enquanto, a China ainda não anunciou o dia em que realizará a manobra de pouso, então o orbitador e o módulo de pouso deverão permanecer em órbita até o momento oportuno. Quando o grande momento da alunissagem chegar, o módulo descerá em direção a um local perto do pico do monte Mons Rümker. Enquanto isso, o orbitador continuará circulando a Lua, aguardando o retorno da sonda com amostras do solo lunar.

O módulo de pouso da Chang'e 5 é movido a energia solar, e ele deverá coletar toda a amostra que puder dentro de um curto espaço de tempo — um dia lunar, ou seja, duas semanas terrestres. Para isso, ele vai perfurar a superfície com uma broca enquanto captura o material que se soltar no processo. A missão Chang'e 5 deve durar cerca de 23 dias ao todo e, se tudo correr como o planejado, a nave trará à Terra cerca de 2 kg de amostras.

As amostras serão armazenadas no módulo de pouso, que voará da superfície lunar rumo à órbita, onde se encontrará com o módulo orbital. Ali, o material será guardado em uma cápsula de retorno, que iniciará então o voo de volta à Terra. A Chang'e 5 é a primeira tentativa do país de realizar uma missão de retorno de amostras lunares. Se for bem-sucedida, a China trará suas amostras de rochas lunares em meados de dezembro.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.