Astrônomos detectam conjunto inédito de estruturas em radiogaláxia

Astrônomos detectam conjunto inédito de estruturas em radiogaláxia

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 12 de Julho de 2021 às 17h36
SARAO/SSS/S. Dagnello/W. Cotton

A partir do radiotelescópio MeerKAT, localizado no Observatório de Radioastronomia da África do Sul (SARAO, na sigla em inglês), um grupo de pesquisadores obteve um impressionante registro das emissões de rádio lançadas pelo buraco negro no centro da galáxia elíptica IC 4296. Além disso, outras características foram observadas e elas podem oferecer respostas sobre o comportamento de grandes radiogaláxias como esta, segundo estudo publicado na The Astrophysical Journal.

Uma radiogaláxia é caracterizada por sua intensa emissão de energia na faixa do rádio. Quando um buraco negro localizado no centro da galáxia consome a matéria ao seu redor, ele passa a emitir dois jatos de gás em altíssima velocidade em direções opostas, e essas estruturas são conhecidas como lóbulo duplo. As observações recentes da IC 4296 mostram que os jatos se tornam intensos à medida que se distanciam de seu centro.

Radiogaláxia IC 4296 (Imagem: Reprodução/SARAO/SSS/S. Dagnello/W. Cotton)

Com isso, alguns elétrons carregados conseguem escapar para o espaço intergaláctico, formando vários “fios“. Além disso, o radiotelescópio MeerKAT também foi capaz de observar algumas estruturas parecidas com fitas, bem suaves, entre os jatos de emissão e a parte externa deles. Os lóbulos de rádio são formados pela interação dos jatos com o meio ao redor dele. A quase 1 milhão de anos-luz de distância do centro da galáxia, essas fitas são atingidas pelo gás intergaláctico, criando “anéis de fumaça” nas extremidades dos lóbulos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O radioastrônomo Jim Condon, do Observatório Nacional de Radioastronomia (NRAO, na sigla em inglês) dos EUA, e principal autor do estudo, diz que apenas a combinação única da sensibilidade, resolução angular e faixa dinâmica do MeerKAT permitiu que os fios, fitas e anéis fossem observados. Juntas, essas estruturas nunca foram vistas.

Em 2029, está prevista é finalização do maior radiotelescópio do mundo, chamado Square Kilometer Array (SKA), que, assim como o MeerKAT, buscará responder a questões fundamentais sobre a natureza do universo e, consequentemente, contribuirá com estudos complementares sobre radiogaláxias como a  IC 4296.

O artigo foi publicado em 9 de junho deste ano no The Astrophysical Journal.

Fonte: Space.com, SARAO

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.