Animação revela Saturno e seus anéis como um Sistema Solar miniatura; assista!

Por Wyllian Torres | 05 de Abril de 2021 às 19h30
Reprodução: NASA/ESA/SSI/Cassini Imaging Team

O planeta Saturno é bem conhecido pela sua complexa formação de anéis ao redor de seu equador. São cerca de sete anéis principais formados por milhares de fragmentos de gelo e poeira, com tamanhos que variam entre poeira microscópica até blocos de gelo do tamanho de um ônibus. E cada um desses pedaços se move ao redor do planeta em seu próprio ritmo: quanto mais próximos, mais rápidos; quanto mais distantes, mais devagar — a mesma dinâmica de um sistema solar. Nesta animação, o sistema de anéis e o planeta aparecem como um “mini Sistema Solar”.

O cientista planetário James O’Donoghue, da agência espacial do Japão (a JAXA), explica que, de certa forma, o sistema de anéis é como um Sistema Solar em miniatura, pois os objetos que se movem próximos a Saturno precisam de uma velocidade maior, em relação aos mais distantes, parece se manterem em órbita — enquanto os mais distantes precisam de uma velocidade maior. O mesmo ocorre com os planetas do Sistema Solar: Mercúrio (47,362 km/s) se move ao redor do Sol a uma velocidade bem maior do que a de Júpiter (13,07 km/s), por exemplo.

Ao longe, os anéis parecem estáticos, mas os fragmentos de gelo e rocha giram ao redor de Saturno a uma velocidade média de 70 vezes a velocidade do som. O’Donoghue é conhecido por criar animações com algumas escalas e dinâmicas do Sistema Solar, como a distância entre os planetas ou a velocidade de rotação deles. Na nova ilustração, o cientista planetário colocou Saturno como o centro do pequeno “Sistema Solar”, orbitando por seus anéis.

O anel mais distante do planeta se move a cerca de 16,4 km/s, enquanto o maior interior e próximo a Saturno se movimenta a aproximadamente 23,2 km/s. O cientista explica que os grãos de gelo nas trilhas vizinhas se movem a apenas alguns centímetros por minuto de diferença em relação aos outros segmentos. “Essa velocidade é como andar um passo a cada 30 minutos, ou semelhante ao tráfego da hora do rush”, disse O’Donoghue em seu Twitter.

Embora a extensão dos anéis de Saturno chegue a cerca de 275 km e 1 km de espessura, a massa total desse sistema equivale a 1/5000 da massa da Lua — ou seja, é um sistema fino e frágil —, e este é o tema da pesquisa de O’Donoghue. Ao analisar a atmosfera superior de Saturno, o cientista planetário e seus colegas de equipe descobriram que os anéis estão “desaparecendo lentamente” — a cada segundo, estima-se que cerca de milhares de quilos de material de gelo e rocha chovem no planeta.

Nesta escala, todos os planetas do Sistema Solaar caberiam dentro de toda extemsão dos anéis de Saturno (Imagem: Reprodução/James O'Donoghue)

De acordo com a atual formação, pesquisadores afirmam que o sistema não deve durar mais do que 300 milhões de anos. “O sistema de anéis de Saturno não é exatamente estável, parecendo mais um campo de destroços temporários de alguma lua ou cometa antigo que se aproximou demais e se separou, ao invés de uma feição permanente", acrescentou O’Donoghue. O cientista também declarou que podemos nos considerar sortudos por viver em uma época em que os anéis de Saturno tem tamanha presença e destaque no Sistema Solar.

Fonte: ScienceAlert!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.