Agência espacial indiana remarca lançamento lunar para o dia 22 de julho

Por Patrícia Gnipper | 18 de Julho de 2019 às 19h20
ISRO

A missão Chandrayaan-2, segunda indiana que partiria rumo à Lua, desta vez levando um rover para o polo sul lunar (o que faria da Índia a primeira nação a realizar este feito), seria lançada no início da semana. Contudo, aos 45 do segundo tempo a equipe detectou um problema técnico no foguete, e o lançamento acabou sendo cancelado, sendo que ele poderia ser adiado por até um ano. Contudo, a ISRO (agência espacial indiana) se apressou e já marcou a data para a próxima tentativa de lançar a Chandrayaan-2: no próximo dia 22 de julho.

O foguete em questão, cujo defeito no sistema de pressurização no estágio criogênico foi detectado em tempo de evitar uma tragédia, é o poderoso Launch Mark Mark III-M1. Especialistas da agência espacial convocaram uma comissão de emergência para investigar e consertar a falha, com o trabalho sendo encerrado rapidamente.

"O comitê de especialistas identificou a causa raiz do empecilho técnico e todas as ações corretivas foram implementadas.e Depois disso, o desempenho do sistema é normal", explicou a ISRO em comunicado oficial.

(Imagem: ISRO)

A missão Chandrayaan-2 envolve um investimento de US$ 142 milhões e é a sucessora da Chandrayaan-1, lançada em 2008 rumo à Lua, que ajudou a descobrir a presença de moléculas de água por lá. No entanto, enquanto a Chandrayaan-1 era composta por uma única espaçonave, a Chandrayaan-2 conta com três veículos: uma sonda orbital, um módulo de pouso chamado Vikram, e um rover chamado Pragyan. O conjunto estudará o polo sul lunar, repleto de crateras que ficam sempre na sombra, e onde há a presença de água.

Quando a Chandrayaan-2 se tornar um sucesso, a Índia se tornará o quarto país a pousar uma nave na superfície lunar, depois dos Estados Unidos, Rússia e China, tornando-se a primeira nação a levar um rover ao polo sul da Lua. O voo durará várias semanas, com a Chandrayaan-2 chegando a seu destino no dia 6 de setembro. Em órbita, o módulo Vikram carregando consigo o rover Pragyan será destacado da sonda orbital, rumo a seu destino no solo.

A ISRO prevê que a missão terá duração de um ano buscando e estudando a água do polo sul da Lua. A missão também levará consigo 13 experimentos científicos indianos e uma carga da NASA — um retrorrefletor de laser para fornecer medições ainda mais precisas da distância entre a Lua e a Terra.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.