Quais são as séries mais caras da Netflix?

Quais são as séries mais caras da Netflix?

Por Beatriz Vaccari | Editado por Jones Oliveira | 14 de Junho de 2021 às 21h00
Netflix

Você já se perguntou quanto custa para sua série favorita ser produzida? Parece que não, mas há muitos fatores que são capazes de deixar o orçamento de uma produção altíssimo: desde figurinos, maquiagem, cabelo, cenografia, equipamentos a salários de todos os integrantes que fazem parte do desenvolvimento. Todo centavo entra nessa conta e, dependendo da resposta da audiência, a questão financeira pode ser o motivo principal que leva uma série ser descontinuada.

Na Netflix, não é diferente. É muito necessário ter um bom investimento para ficar à frente da concorrência, e são nos detalhes que a perfeição mora. Não é novidade que o streaming é conhecido por separar uma grande fatia do orçamento para direção de arte e, às vezes, impactar mais no visual do que nas atuações e enredo em si — mesmo assim, a gigante do entretenimento não deixa de investir pesado em suas produções originais: são milhões e milhões gastos para produzir cada episódio da sua série favorita.

Mesmo investindo em produções originais desde 2013, House Of Cards e Orange is the new Black são duas de suas séries mais caras, com orçamentos entre US$ 4 milhões e US$ 5 milhões por episódio. No entanto, com o passar do tempo, o público aumentou — e, consequentemente, a demanda, o que fez o serviço de streaming abrir ainda mais os bolsos para atrair mais assinantes.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Veja abaixo a lista das 10 séries mais caras já produzidas pela Netflix e o custo de cada episódio:

10. Bridgerton

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 7 milhões

Surpreendentemente, a série que teve a melhor estreia da história da Netflix ocupa o décimo lugar no ranking de orçamentos. Trata-se de Bridgerton, romance baseado nos livros de Julia Quinn com produção de ninguém menos que Shonda Rhimes, a mente brilhante por trás de séries como Grey's Anatomy e Scandal. O drama de época se passa na Inglaterra na era da Regência, o que justifica boa parte do orçamento ser utilizado para figurino, cabelo, maquiagem e, é claro, cenário.

9. Altered Carbon

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 7 milhões

Embora o preço dos episódios de Altered Carbon estivessem sob total sigilo tanto pelos produtores quanto pela própria Netflix, o show de ficção científica teve seu orçamento vazado pouco depois do cancelamento, com uma estimativa do The Hollywood Reporter. Os US$ 7 milhões de dólares destinados a cada capítulo são nítidos em cada detalhe do show, cuja atmosfera futurista toma conta totalmente no cenário, efeitos visuais e direção de arte. Ah, vale lembrar que tem o cachê do Anthony Mackie nessa conta toda, hein?

8. Bloodline

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: entre US$ 7 milhões e US$ 8 milhões

O thriller Bloodline foi lançado na Netflix em 2015 e durou, ao todo, três temporadas, com 33 episódios. Totalmente indicada para os fãs de Ozark, a série mostra uma família que parece ser perfeita pelo lado de fora, mas diversos escândalos mortais são escondidos por baixo da superfície. Embora a produção contasse com custos de direção de arte, figurino e a locação caríssima em Florida Keys, acredita-se que o real motivo que levou ao cancelamento da trama foi o cachê do renomado elenco na frente das câmeras, composto por Kyle Chandler, Ben Mendelsohn, Linda Cardellini e Sissy Spacek.

7. Os Defensores

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 8 milhões

Embora dispense explicações por conta do elenco, Os Defensores exigiu muito mais do orçamento do que apenas os salários de Krysten Ritter, Charlie Cox, Finn Jones e Mike Colter. A Netflix já produziu séries originais utilizando os personagens da Marvel, todas elas usualmente utilizando de um orçamento fixo de US$ 40 milhões, de acordo com o ScreenRant. No entanto, a minissérie teve apenas oito episódios ao invés de 13, como aconteceu com Jessica Jones e Luke Cage, por exemplo, então estima-se que um total de US$ 8 milhões foram gastos para produzir cada episódio.

6. Sense8

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 9 milhões

Uma série cuja trama resumia-se em acompanhar oito pessoas de diferentes locais do mundo que, de alguma forma, estão conectadas poderia ser tudo, menos barata. Sense8, criação das irmãs Wachowskis e que por muito tempo fez um enorme sucesso entre os assinantes da Netflix, foi cancelada em 2018 sob a justificativa de não ter uma base sólida de fãs o suficiente para justificar o andamento da produção. Felizmente, o público (muito leal à série, por sinal), conseguiu ter uma finale de duas horas de duração para se despedir dos personagens, mas uma coisa é fato: com tantas filmagens ao redor do mundo, é mais do que esperado Sense8 estar presente nessa lista.

5. Marco Polo

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 10 milhões

Tramas épicas costumam ter uma direção de arte bem cara, o que é justificável se a produção quer se aproximar o máximo possível da fantasia retratada na tela. Em Marco Polo, o protagonista que dá nome ao show embarca numa série de aventuras na época das grandes navegações, no século XIII. O título original Netflix foi muito bem elogiado pela crítica quanto à representação da cultura mongol, mas foi cancelada logo na segunda temporada após render um rombo finaneiro de US$ 200 milhões, tornando-se o primeiro fiasco do streaming.

4. The Witcher

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 10 milhões

Não deve ser barato contratar Henry Cavill; agora adicione-o numa trama de fantasia adaptada de um videogame. O resultado, com certeza, contará com muitos zeros no orçamento. No entanto, The Witcher foi um grande acerto para a Netflix, e, embora tenha uma recepção mista da crítica, a primeira temporada foi o suficiente para agradar os fãs e dar continuidade à produção, que chega muito em breve com os novos episódios. Grandes quantidades de efeitos visuais, sobretudo em CGI, foram utilizadas ​​para trazer o mundo medieval de Geralt de Rívia às telas, e a sequência com certeza não será barata.

3. The Get Down

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 11 milhões

O cancelamento de The Get Down foi, com certeza, um dos mais tristes da Netflix. Isso porque a série do renomado diretor Baz Luhrmann (de Moulin Rouge, O Grande Gatsby e Romeu + Julieta) era trabalhada com paixão tanto pelo criador quanto pelos atores do elenco, com Justice Smith, Jaden Smith, Shameik Moore, Tremaine Brown Jr. e Skylan Brooks, que davam vida ao grupo de hip-hop The Get Down Brothers, numa Nova York de 1970. Visto desse ponto, o orçamento obviamente seria alto pela ambientação dos episódios, figurino, cabelo, maquiagem e produção da trilha sonora de episódios que foram tão longos quanto um filme. A série durou apenas uma temporada dividida em duas partes, mas cuja história conseguiu ter um encerramento.

2. Stranger Things

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 12 milhões

Produções de ficção científica geralmente possuem um altíssimo orçamento destinado aos efeitos visuais, fotografia e direção de arte. Agora, quando se é um dos carros-chefe da Netflix, obviamente se contará com quantias volumosas para ser bem produzido. É assim que Stranger Things se mantém há três temporadas (e com a quarta encaminhada para 2022): a primeira teve um orçamento US$ 6 milhões por episódio, enquanto a segunda contou com um aumento de US$ 2 milhões para cada capítulo. O cálculo é feito com base nessa linha de raciocínio, visto que a tendência é aumentar conforme a popularidade e o desenvolvimento da série aumentam.

1. The Crown

(Imagem: Divulgação / Netflix)

Custo por episódio: US$ 13 milhões

Sucesso da Netflix, The Crown conta com um orçamento tão luxuoso quanto a premissa e o cenário do programa. O drama histórico baseado na família Real (sobretudo na jornada da Rainha Elizabeth II e seu reinado), o figurino, maquiagem, cabelo e todo o resto da direção de arte precisam de um orçamento do nível da realeza britânica. A série, assim como Stranger Things, teve seu orçamento ampliado a cada temporada, o que deu margem para grandes nomes do cinema e da televisão fazerem parte dos novos episódios, como Gillian Anderson, Helena Bonham Carter e Olivia Colman. A escrita e a atuação foram elogiadas pela crítica e pela audiência, mas é inevitável dizer que o aspecto mais atraente do show é o cuidado com os detalhes históricos, e são nesses elementos que se encontra o acerto de uma boa produção.

Com informações: ScreenRant

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.