Crítica Red: Crescer é uma Fera | Sobre crescer e abraçar quem você é

Crítica Red: Crescer é uma Fera | Sobre crescer e abraçar quem você é

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 18 de Março de 2022 às 20h30
Disney/Pixar

A Pixar acaba de lançar uma nova animação diretamente no Disney+: Red: Crescer é uma Fera. Mais uma vez, o estúdio aposta na diversidade para trazer ainda mais identificação ao público, que a cada vez mais preza por isso, mas sem deixar de oferecer uma história divertida e que emociona.

Red: Crescer é uma Fera é um filme que conta a história da personagem Mei, uma pré-adolescente de 13 anos que começa a sentir as mudanças no seu corpo e na personalidade, se tornando um clichê da própria idade. Gostando de garotos e de boybands, a garota não consegue ser 100% quem ela é por causa da superproteção da mãe.

As mudanças em seu corpo, no entanto, são representadas na sua transformação de garota para um panda-vermelho gigante quando está com as emoções afloradas, e a justificativa para essa mudança está, em parte, em questões culturais e crenças asiáticas. A animação, portanto, traz uma mensagem de que é possível aceitar quem você é e quais são os seus sentimentos, ainda que a jornada não seja nada fácil.

A cultura

Neste novo filme, a Pixar explora a cultura chinesa com uma família que preza pelas suas raízes, mas em vez de incomodar por estereótipos e abraçar os preconceitos existentes, consegue ser respeitosa. O longa também não deixa de se apoiar nos clichês pré-adolescentes, claro, trazendo personagens caricatos e com personalidades bem definidas pelos sentimentos.

A transformação de Mei no panda-vermelho, diferente de muitas produções de animação, não está relacionada a algum tipo de magia genérica, mas sim a um exotismo bastante específico, focado em tradições culturais. Tudo isso também está interligado nas expectativas que culturas mais rígidas têm sobre as mulheres, o que em um mundo mais moderno acaba resultando em emoções mais intensas.

O filme conta a história de uma garota que se transforma em um panda-vermelho gigante (Imagem: Divulgação/Pixar)

As emoções

Red: Crescer é uma Fera explora tudo o que está ao redor da família de Mei para falar sobre mudanças. Como uma garota que está entrando na adolescência, o filme mostra as dificuldades emocionais de Lee no longo e doloroso processo de transição para a vida adulta. Sua mãe, Ming, é quem mais sofre com essas mudanças, sobrecarregando a filha com seus sentimentos. Curiosamente, ela passou com as mesmas coisas com a avó de Mei.

Todas elas, no entanto, escondem suas vulnerabilidades em imagens de pessoas fortes e imbatíveis. Esse acúmulo acaba explodindo na forma de pandas-vermelhos ameaçadores. Essa transformação acontece após uma "maldição ancestral" que começou justamente como uma forma de defesa. Uma mulher se transforma em animal para ser ouvida, vencer seus enfrentamentos e proteger aqueles que mais amam. Porém, nada disso as define.

O filme explora os clichês adolescentes (Imagem: Divulgação/Pixar)

A história da animação é bastante representativa e não há como negar que isso se deve à equipe formada somente por mulheres. O grupo de profissionais comprova, sem nenhuma dúvida, que as mulheres são as pessoas mais capazes de explorar a vivência da outra e seus mecanismos de defesa impostos a elas desde o nascimento.

Red: Crescer é uma Fera já está disponível no Disney+.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.