Crítica | Amizade Dolorida traz mais maturidade sobre BDSM em novos episódios

Crítica | Amizade Dolorida traz mais maturidade sobre BDSM em novos episódios

Por Natalie Rosa | 30 de Janeiro de 2021 às 12h00
Divulgação: Netflix

Bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo. Juntas, essas palavras compõem a sigla BDSM, que consiste na mistura do prazer sexual com a dor, se apegando às fantasias e desejos mais obscuros dos adeptos da prática. O BDSM já existe há anos e existem muitas comunidades de pessoas que se interessam por essa mistura de sensações, seja de forma leve, com cócegas e amarrações, ou mais pesadas, como torturas com chicotadas ou vontades envolvendo urina.

O BDSM é o tema de uma das produções originais da Netflix, Amizade Dolorida, que acaba de ganhar a sua segunda temporada. A trama, que de certa forma tenta desmistificar a prática, abusou da comédia para conquistar os seus espectadores nos primeiros episódios, porém, após algumas críticas de pessoas que realmente fazem parte da comunidade BDSM, agora a série optou por trabalhar em cima de alguns erros e focar mais no sentimento e em desenvolver o cenário dos protagonistas.

Imagem: Divulgação/Netflix

Atenção: esta crítica contém spoilers da série Amizade Dolorida!

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Amizade Dolorida trabalha em cima da linha tênue entre achar o BDSM bizarro e engraçado com tratar com humor uma comunidade que, como todas as outras, exige respeito. Para quem não está familiarizado com a prática e tem pouco conhecimento como o tema (provavelmente a maioria do público), a tortura sexual pode ser chocante e um pouco intragável, e aparentemente a série acabou levando a questão para este lado.

Porém, como todas as formas de trabalho, existe prática, treinos, estudo e, o mais importante, regras e profissionalismo. Também é importante lembrar que tudo é na base do consenso e acordado previamente com a clientela. Tudo isso é essencial para que o BDSM não seja banalizado e que não coloque a vida das pessoas em risco. Parte dessa redenção já foi vista na segunda temporada, quando, em um dos episódios, Peter (Brendan Scannell) fala sobre a prática em uma de suas apresentações de stand-up de forma a revelar mais do que deveria sobre essa comunidade, provocando a revolta de Tiff (Zoe Levin).

Imagem: Divulgação/Netflix

A protagonista entrou no mundo do BDSM para ter dinheiro para pagar a faculdade, mas, desde os primeiros episódios, sempre se mostrou muito séria em relação a esse trabalho, mesmo que em um contexto geral o início da produção pareça ter banalizado a profissão. A nova temporada também trouxe menos da prática do BDSM para focar na humanização dos personagens, mostrando que por trás de tudo isso existem pessoas que têm outras carreiras, suas vidas pessoais, seus segredos e suas dores. Independentemente de suas fantasias sexuais, todos são pessoas, que erram e acertam.

Imagem: Divulgação/Netflix

A série Amizade Dolorida, desde a sua primeira temporada, aborda o assunto de forma divertida, com muitas cores, fantasias e couro em excesso, mas conquista por ser prática. Com cada episódio durando menos de 20 minutos, a trama vai direto ao ponto que quer tratar, conseguindo resumir as questões principais em cenas curtas e diálogos breves, sem deixar nada faltando — e muito menos sobrando. Até mesmo na segunda temporada, em que o assunto foi tratado com mais seriedade, assim como o desenvolvimento de cada personagem, os episódios não são cansativos.

Os oito novos episódios da série mostram que houve uma evolução no roteiro, com o final trazendo uma deixa para uma maior abordagem do tema. Então, há grandes chances que em uma possível terceira temporada o espectador passe a conhecer a prática do BDSM de forma mais profunda, uma vez que Tiff resolveu dedicar sua vida somente a isso. O desafio, no entanto, será em continuar trazendo uma série prática e engraçada que siga desmistificando questões tão banalizadas pela sociedade, independente da opinião pessoal de cada um sobre o tema, já que não é preciso gostar ou aderir BDSM para se divertir com a trama.

Amizade Dolorida está disponível na Netflix em duas temporadas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.