Pandemia aprofunda desigualdade entre mulheres e homens no empreendedorismo

Pandemia aprofunda desigualdade entre mulheres e homens no empreendedorismo

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 02 de Dezembro de 2021 às 14h20
Envato/amenic181

A pandemia de coronavírus ampliou a desigualdade de gênero nos pequenos negócios, segundo um estudo do Nubank com o Sebrae e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Em 2020, MEIs liderados por homens apresentaram uma receita média 10,8% superior à das mulheres. Nos primeiros sete meses de 2021, essa diferença subiu para 23%.

A base de análise do estudo veio de três fontes: os clientes do Nubank que abriram conta pessoal e de pessoa jurídica na fintech, além de donas e donos de micro e pequenos negócios; o banco de dados de pequenas empresas do Sebrae; e análises e recomendações sobre políticas públicas do BID, realizados a partir de dados públicos.

Outros dados importantes da pesquisa do Data Nubank — a plataforma de estudos sobre finanças do Nubank — foram:

  • O número de mulheres empreendedoras caiu 50% a mais do que o número de homens que fecharam seus negócios;
  • Em 2019, as mulheres conseguiram guardar 17,2% em volume financeiro a menos do que os homens, segundo os registros na plataforma do Nubank. Em 2021, o percentual aumentou para 47,6%;
  • Durante a crise, 53% dos homens donos de microempresas contraíram empréstimos para manter seus negócios; 47% das mulheres usaram desse recurso;
  • Cerca de 21% das mulheres têm conhecimento em experiência com investimentos, contra 37,9% dos homens.

Mesmo antes da crise de covid, as MEIs mulheres já dedicavam cerca de 10,4 horas a mais que homens por semana em atividades domésticas e de cuidado com a família, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Fechamento de creches e escolas também impactou mais as mulheres (Imagem: StartupStockPhotos/Pixabay)

“Isso confirma que a lacuna entre os gêneros no país ainda é um dos desafios mais evidentes do empreendedorismo por aqui e se reflete no quanto cada empreendedor ganha em seus negócios”, comenta Rafaela Nogueira, gerente de relações institucionais no Nubank.

Segundo o BID, o fechamento de creches e escolas também impactou mais as mulheres ao trazer o acúmulo de jornadas de trabalho, incluindo as empreendedoras.

“São mulheres que precisaram fechar seu negócio e que, por outro lado, sem a renda oriunda desse trabalho, vêm os homens com uma capacidade de poupança muito superior ao delas. Por isso, é fundamental questionar o que podemos fazer enquanto sociedade para superar os desafios do empreendedorismo feminino, e batalhar para que as lacunas de gênero sejam, se não eliminadas, ao menos reduzidas”, disse Renata Malheiros, coordenadora do Sebrae Delas, programa de aceleração de negócios liderados por mulheres.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.