Amazon começa a vender smartphones, eletrônicos e jogos no Brasil

Por Redação | 18 de Outubro de 2017 às 09h53
Tudo sobre

Amazon

Saiba tudo sobre Amazon

Ver mais

Após mais de cinco anos de presença no Brasil, a Amazon finalmente expandiu sua atuação para além dos livros de papel, ebooks e leitores da marca Kindle. Nesta quarta-feira (18), a empresa abriu sua seção de venda de eletrônicos, disponibilizando mais de 100 mil produtos aos usuários nacionais, entre smartphones, jogos, acessórios de informática, televisores e computadores.

Como já era de se esperar – e vinha sendo comentado há alguns meses –, a estreia da Amazon neste segmento acontece sem estoque próprio, por meio de seu sistema de marketplace. Isso significa que a marca apenas intermedia as compras, com o processo de disponibilização de produtos e envio para os clientes sendo de responsabilidade de vendedores parceiros, que devem pagar uma comissão para a gigante.

É um sistema que já existe há anos, e funciona muito bem nas contrapartes internacionais da Amazon. A empresa foi uma das pioneiras, lá fora, nesse tipo de serviço, que chegou ao Brasil há alguns anos e já é utilizado por outros players do varejo nacional. Agora, é hora da própria responsável por essa introdução começar a utilizá-lo por aqui.

Os valores são correspondentes ao que vemos no restante das lojas, sem grandes ofertas ou barganhas. Um Moto G5 Plus, da Motorola, por exemplo, está saindo por R$ 1.079,90, enquanto um PlayStation 4, ainda em seu modelo original, sai por a partir de R$ 1.499.

Algumas ofertas também estão disponíveis, como uma câmera Canon SX520 saindo por R$ 1.699, acompanhada de bolsa, cartões de memória, carregadores, tripés e outros acessórios; ou uma Instax Mini 7s, da Fujufilm, custando R$ 309,90. Os pagamentos só estão disponíveis nos cartões de débito ou crédito, com parcelamento em até dez vezes sem juros no segundo caso.

Para marcar o lançamento, a empresa está dando, ainda, um ebook gratuito para todos aqueles que realizarem sua primeira compra de eletrônicos até o dia 25 de outubro. A Amazon também chama a atenção para o que chama de “Garantia de A a Z”, certificando as lojas colocadas em seu marketplace e assumindo responsabilidade quanto a produtos defeituosos, além de proteger os clientes durante as transações.

Porém, por enquanto, nada da conexão entre os estoques internacionais para compra no Brasil – maior sonho dos brasileiros que conhecem a marca. Não dá para saber nem mesmo se a companhia pretende fazer isso com uma forma de facilitar a importação de produtos, já que, apesar de sua postura agressiva no mercado internacional, vem se mostrando bastante cautelosa em sua presença em nosso país e na competição com outros grandes varejistas brasileiras.

Fonte: Amazon

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.