Testes com a moeda digital chinesa já movimentaram mais de US$ 5,3 bilhões

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 16 de Julho de 2021 às 23h30
Reprodução/leungchopan (Envato)

Os testes do yuan digital, a criptomoeda estatal da China, atingiram 34,5 bilhões de yuans (pouco mais de R$ 27,2 bilhões na cotação atual) em transações. Mais de 20,8 milhões de clientes já abriram carteiras virtuais para ela no país e fizeram ao todo mais de 70,7 milhões de movimentações financeiras. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (16) pelo Banco Popular da China (PBOC).

Desde 2019, o país faz experimentos com a moeda. Atualmente, ela já pode ser usada em 11 cidades e províncias chinesas — e esse processo ajudou a esclarecer a população sobre como o yuan digital funciona.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O PBOC vai continuar a testar o sistema e ainda não definiu uma data para o lançamento oficial da criptomoeda. Por enquanto, a instituição terminou o design e definiu as funções do yuan digital. Em comunicado, a entidade informa que vai expandir o escopo dos testes e dos cenários possíveis.

Imagem: Reprodução/Envato/twenty20photos

Moeda para o varejo

O yuan digital é a moeda de varejo do PBOC. A entidade já tem uma equivalente para o atacado, que é usada por bancos comerciais e outras instituições em transações de grande volume.

Depois que a China passou a desenvolver o yuan digital, bancos centrais de outros países começaram a se movimentar. Especialistas avaliam que ele pode ameaçar a posição dominante do dólar americano no mundo. Autoridades chinesas, no entanto, informam que a moeda vai ser usada majoritariamente em transações domésticas de varejo.

Tecnicamente, no entanto, o yuan digital pode ser usado em operações internacionais. O PBOC reforça que só vai iniciar testes nesse contexto se houver demanda externa, bem como que vai respeitar a soberania monetária de outras nações.

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.