População russa liquida bilhões em criptomoedas nos Emirados Árabes

População russa liquida bilhões em criptomoedas nos Emirados Árabes

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 14 de Março de 2022 às 23h00
Divulgação/Sergei Tokmakov/Pixabay

Em meio as várias sanções econômicas que a Rússia está sofrendo por conta de seu conflito com a Ucrânia, clientes russos de corretoras de criptomoedas localizadas nos Emirados Árabes Unidos estão enviando uma enxurrada de pedidos de liquidações de ativos digitais, segundo informações publicadas pela Reuters na última sexta-feira (11).

Segundo a matéria da Reuters, um executivo do setor de criptomoedas afirmou que, nos últimos dias, vários corretores suíços entraram em contato tentando vender fortunas em Bitcoin (BTC), com nenhum pedido sendo de valor inferior a US$ 2 bilhões (R$ 10,2 bilhões, na cotação atual).

Já outros investidores russos visam investir suas fortunas em criptomoedas em imóveis nos Emirados Árabes Unidos, em localizações como Dubai, que já é uma cidade popular para esses objetivos da população da Rússia muito antes do conflito no leste europeu.

Liquidação de criptomoedas pode ser forma de russos escaparem de sanções

Especialistas do mercado de Bitcoin levantaram a possibilidade de a notícia em questão não ser verdadeira, chegando até mesmo a associar com a movimentação do mercado em 2018 após o envio de e-mails anunciando vendas de 100 mil unidades de Bitcoin — em outras palavras, comparando a movimentação com uma possível tentativa de pump and dump, esquema que busca diminuir o valor do ativo digital para permitir sua compra em maior quantidade.

Ao mesmo tempo, a compra de propriedades nos Emirados Árabes Unidos, a partir de transações com criptomoedas, pode ser uma forma dos russos protegerem seu dinheiro, das várias sanções econômicas aplicadas na nação, não podendo ser descartada totalmente a possibilidade deles estarem realmente realizando essa ação.

Essa situação já havia sido prevista no começo do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, o que fez autoridades ucranianas solicitarem a corretoras de criptomoedas o bloqueio de usuários russos em suas plataformas. Algumas exchanges, como a Coinbase, em parte cumpriram o pedido, bloqueando contas de indivíduos citados em listas de sanções internacionais.

Fonte: CoinDesk, Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.