Mercado Livre estaria próximo de lançar sua própria criptomoeda

Mercado Livre estaria próximo de lançar sua própria criptomoeda

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 13 de Janeiro de 2022 às 17h20
André Magalhães/Canaltech

O Mercado Livre pode estar próximo de dar seu próximo passo no setor de criptomoedas. Após em dezembro ter disponibilizado para alguns usuários a funcionalidade de comprar e vender ativos digitais no aplicativo do Mercado Pago, foram encontradas indicativos que a plataforma pode estar se preparando para lançar sua própria moeda virtual.

A descoberta foi feita pelo engenheiro de computação Diego Marignac, da Argentina, que através de seu Twitter afirmou ter encontrado a palavra melicoin no código do site do Mercado Livre — termo que, segundo o especialista, não é utilizado em nenhuma ferramenta ou aplicação da plataforma.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A palavra Meli, presente em melicoin, é constantemente usado pelo Mercado Livre para se referir a si mesmo, seja em comunicações oficiais, em eventos promovidos pela empresa, ou mesmo em seu código de ação em diversas bolsas de valores.

Até o momento, não há nenhuma confirmação oficial da empresa sobre a descoberta de Marignac. O Canaltech entrou em contato com o Mercado Livre solicitando mais informações, mas a plataforma respondeu que não tem nada a comentar sobre o assunto.

O longo caminho do Mercado Livre e das criptomoedas

Mercado Livre já está há algum no mercado de criptomoedas. (Imagem: Reprodução/Pierre Borthiry/Unsplash)

Se confirmada a existência da melicoin, ela não será a primeira investida do Mercado Livre no setor de criptomoedas. No começo de dezembro de 2021, a plataforma disponibilizou para parte dos usuários do Mercado Pago a opção de compra e venda de ativos digitais.

Na implementação inicial da ferramenta, três ativos estão disponíveis para negociação: Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e Pax Dollar (USDP), com investimentos mínimos de R$ 1, e taxas de 2% por transação.

Além disso, cerca de 6 meses antes do lançamento dessa função no Mercado Pago, o Mercado Livre se tornou a primeira empresa de grande porta na América Latina a investir em Bitcoin, comprando um total de US$ 7,8 milhões (cerca de R$ 45 milhões, na conversão atual) do ativo, como parte de uma estratégia de preservação de reservas financeiras da empresa.

Fonte: Criptofácil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.