Mercado Bitcoin elimina taxa de saque para transferências em reais

Mercado Bitcoin elimina taxa de saque para transferências em reais

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 22 de Setembro de 2021 às 18h40
Envato/FabrikaPhoto

A corretora de criptomoedas Mercado Bitcoin anunciou, nesta terça-feira (21), a extinção de taxa para saques de pelo menos R$ 100 para qualquer banco. Até agora, a companhia cobrava tarifa de R$ 2,90 mais 1,99% sobre o valor sacado a cada transação.

A determinação é permanente e, com ela, a plataforma passa a ser a única entre as corretoras que operam no Brasil a permitir saques gratuitos em reais. Até agosto, a Binance oferecia essa vantagem, mas a oferta foi encerrada em 1º de setembro e a empresa passou a cobrar R$ 2,60 por saque, independentemente do valor.

Imagem: Reprodução/Pixabay/Joel santana Joelfotos

A fintech Alter — um banco digital com suporte a criptomoedas — também não cobra saques em real, mas o dinheiro fica disponível na conta que a própria empresa oferece em vez de ir para o banco de preferência do cliente.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Presente aos clientes

O Mercado Bitcoin diz que a novidade é um presente para os clientes em comemoração aos três milhões de registrados na plataforma. “Essa é uma marca muito importante para a gente, porque mostra não apenas o crescente interesse pelos criptoativos, mas a confiança no Mercado Bitcoin”, diz Fabricio Tota, diretor de Novos Negócios da companhia.

Há dois meses, a 2TM, holding que controla o Mercado Bitcoin e mais oito empresas, se tornou um unicórnio — uma startup com valor a partir de US$ 1 bilhão — ao receber investimento de US$ 200 milhões liderado pelo Softbank. Atualmente, seu valor de mercado é US$ 2,1 bilhões.

Imagem: Reprodução/Pixabay/WorldSpectrum

Por outro lado, se as retiradas no Mercado Bitcoin forem em criptomoedas, elas continuam a ser cobradas. Nesse caso, os valores das tarifas variam conforme o ativo e dependem das regras da blockchain e do congestionamento da rede no momento da transação.

Fonte: InfoMoney

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.