Cocriador do Dogecoin revela quanto tem da criptomoeda e diz ter se afastado

Cocriador do Dogecoin revela quanto tem da criptomoeda e diz ter se afastado

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 29 de Dezembro de 2021 às 14h20
Unsplash

O cocriador do Dogecoin, Billy Markus, divulgou na última quinta-feira (23) que agora ele só possui cerca de 220 mil unidades da criptomoeda meme, o que, na cotação atual, equivalem a cerca de US$ 40 mil (cerca de R$ 225 mil, na cotação atual).

Além disso, no mesmo dia, através de seu Twitter, Markus alertou que, embora comente constantemente sobre o ativo virtual, ele atualmente não tem mais nenhum laço com a criptomoeda meme, sendo somente parte da comunidade ao redor do DOGE.

Markus criou o Dogecoin em 2013 junto de Jackson Palmer, e afirma ter vendido todas as suas posses na criptomoeda meme em 2015, após ter sido demitido de seu trabalho na época. Com o valor da venda, ele comprou um Honda Civic usado.

Os US$ 40 mil em Doge atualmente em posse de Markus foram comprados neste ano. O cocriador da criptomoeda diz que, com isso, quebrou uma promessa de não investir mais em ativos digitais que havia feito cerca de 8 anos atrás.

Entendendo o Dogecoin

O meme que inspirou a criptomoeda. (Imagem:Divulgação/Kabochan Blog0

A Dogecoin tem seu nome baseado no meme Doge, e foi criada para ser uma alternativa mais simples e engraçada do Bitcoin.

Desde então, ela ganhou popularidade, principalmente por ter Elon Musk, CEO da Tesla, como um de seus apoiadores. Atualmente, ela ocupa o 10º lugar entre as maiores criptos do mundo em valor de mercado, mas em maio deste ano chegou a ocupar a quarta posição, quando bateu sua máxima histórica de US$ 0,73 (R$ 4,11, na cotação atual), embora tenha passado por uma queda de quase 70% desde o pico.

Para muitos especialistas do mercado de criptomoedas, porém, a Dogecoin é vista como algo arriscado, por não ter uma equipe dedicada para seu desenvolvimento, além de estar concentrado entre muitos investidores do ativo. Para os entusiastas, enquanto a criptomoeda não tiver uma equipe responsável pelo ativo, a perspectiva de riscos continuará alta.

Isso é exemplificado em um evento recente, de alguns meses atrás, quando a Dogecoin passou por uma atualização focada em reduzir as comissões em suas transações que, embora encarado positivamente em seu lançamento, acabou gerando uma falha nas transações que fez a Binance suspendesse os saques do ativo temporariamente.

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.