Nuvem híbrida: a estratégia corporativa eficiente para o gerenciamento de dados

Por Colaborador externo | 30 de Novembro de 2020 às 21h20

Por Ed Solis*

Com o surgimento frequente de novas tecnologias, o número de aplicações, sistemas, requisitos comerciais diversos e dados que transitam pelas redes só tem aumentado. Com isso, as equipes de TI nas empresas precisam de ferramentas que não só forneçam armazenamento, mas também ofereçam suporte, protejam e ajudem a gerenciar os volumes de informações de acordo com sua importância para as empresas.

Tecnologias como nuvem pública ou privada, edge computing e PaaS/SaaS (plataforma de serviço/software como serviço) proporcionam aos diretores e administradores de TI maior controle sobre esse tipo de problema. Diante disso, uma estratégia de nuvem híbrida que combina elementos próprios e de terceiros é a melhor opção para coordenar esses serviços, devido à sua adaptabilidade, o que representa um grande benefício para todos os tipos de empresas.

A união do público e do privado

Embora o termo nuvem híbrida (união da nuvem pública e privada) possa parecer um conceito relativamente novo, é provável que sua empresa já use isso por vários anos devido à necessidade crescente de armazenamento flexível e disponibilidade de dados. Segundo um levantamento feito pela empresa Panda Security, espera-se que os data centers em nuvem processem 94% das cargas de trabalho até 2021, exigindo estratégias que combinem as duas nuvens.

A nuvem pública pode ser entendida como um serviço de computação que é oferecido por meio de um provedor externo na Internet, está à disposição de qualquer pessoa que o solicite e costuma ser de baixo custo ou até mesmo gratuita. Em geral, representa um benefício econômico para as empresas, pois permite economizar em infraestrutura e manutenção de hardware privado.

Ao contrário da nuvem pública, a nuvem privada está disponível para usuários específicos por meio de uma rede interna, por isso também é chamada de nuvem corporativa. Este serviço oferece uma melhoria nos sistemas de segurança e privacidade que mantêm as informações confidenciais afastadas de provedores externos, sendo que, neste modelo, a empresa é responsável pelos custos de administração e manutenção.

A nuvem híbrida permite que a empresa dimensione sua infraestrutura local e acesse o domínio público, enquanto ainda protege parte de seus dados. Desta forma, a nuvem híbrida proporciona a flexibilidade da nuvem pública sem descuidar da segurança que distingue o modelo privado. A questão não é começar ou não utilizar este modelo, mas sim utilizá-lo de forma a agregar valor para sua empresa.

Máxima produtividade e valor, com espaço mínimo

Para obter o melhor da nuvem híbrida, é necessário que as empresas definam quais de seus dados devem ser mantidos na nuvem privada e quais podem ser hospedados em servidores públicos. Para isso é necessário desenhar uma estratégia que lhes permita obter o maior benefício do modelo híbrido.

O primeiro passo no planejamento dessa estratégia é pensar nas operações da empresa que precisam permanecer internas, ou seja, dentro da nuvem privada, para garantir sua segurança de usuários externos. Em seguida, a relevância de cada um dos dados é analisada para que, se assim for decidido, sejam movidos para a nuvem pública. Isso irá liberar espaço no hardware local, oferecendo maior capacidade de armazenamento para informações mais relevantes.

Por exemplo, se sua empresa usa recursos próprios para armazenar um banco de dados de vendas, é provável que esse serviço possa ser gerenciado por meio de provedores SaaS ou PaaS, permitindo que esse espaço seja utilizado para tratar dados financeiros sem a necessidade de investir na expansão de sua infraestrutura e economizando recursos.

Em alguns casos, o resultado da liberação de espaço interno pode ser que o próprio data center não seja mais totalmente necessário para a empresa. Isso é benéfico, uma vez que a infraestrutura pode ser alugada em um modelo de multi-tenant data center ou a empresa pode fechar parcerias com outras empresas para dividir o espaço.

Desenhar e respeitar a estratégia de nuvem híbrida permitirá que a empresa gerencie melhor seu espaço livre, ou seja, saberá com mais precisão quando chegar a hora de adquirir maior capacidade de armazenamento, seja no modelo público ou privado.

Um dos benefícios de migrar da nuvem privada para a pública é liberar espaço para armazenamento. No entanto, é preciso ter cuidado ao fazer essa mudança, pois pode facilmente comprometer a privacidade de dados importantes para a operação da empresa. Uma boa seleção das informações que ficarão em seu local e o que serão migradas é essencial.

Uma estratégia de armazenamento bem planejada

É importante mencionar que a nuvem híbrida oferece grande escalabilidade. Assim, a empresa poderá crescer e atender às novas demandas que vão surgindo, sem perder as qualidades que já possui. Além disso, a flexibilidade em questões de armazenamento que este modelo oferece torna o acesso aos dados mais eficiente para qualquer usuário da empresa.

Como qualquer ferramenta, a nuvem híbrida é muito útil quando usada da maneira mais eficiente. Por se tratar de um modelo que busca otimizar o armazenamento de informações, deve-se ter cuidado na tomada de decisões que definirão quais dados são relevantes e quais não são para o correto funcionamento da empresa.

Lembre-se também que todos esses movimentos serão feitos em benefício da sua empresa, por isso é fundamental levar em consideração suas necessidades e objetivos para estabelecer quais deles podem ser atendidos com o uso da nuvem híbrida e nunca perder de vista o futuro.

*Ed Solis é vice-presidente da CommScope para a área de Enterprise para as regiões da América Latina e Caribe

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.