Como a nuvem evoluirá em 2020? Veja as cinco previsões

Por Redação | 05 de Março de 2020 às 15h16

O ano de 2019 foi emblemático para a computação em nuvem. A área que mais ganhou espaço foi a multicloud híbrida, que emergiu como a estratégia favorita das empresas que buscam flexibilidade e caminhos mais eficientes para mover suas cargas de trabalho para a nuvem, sem perder de vista a redução de custos, o aumento da produtividade e evitar estarem limitadas a um único provedor. As vantagens são tão significativas que a oportunidade de mercado de nuvem híbrida pode chegar a US$ 1,2 trilhões.

O ano de 2020 promete intensificar esse cenário, à medida que empresas de todos os setores adotem a estratégia multicloud híbrida para agilizar sua transformação digital. De acordo com a IBM, as cinco tendências a seguir ajudarão as empresas em suas jornadas para a nuvem em 2020:

1) 5G permitirá o uso de Edge na estratégia de nuvem híbrida
O Edge Computing é, de várias maneiras, o próximo capítulo na nuvem. Os varejistas se beneficiarão do acesso a atualizações mais rápidas das tendências de compra dos consumidores, as fábricas poderão realizar manutenção preditiva nos equipamentos que estão prestes a falhar e as operadoras de telefonia móvel poderão oferecer suporte a aplicativos de jogos para dispositivos móveis e à realidade aumentada.

Em 2020, o 5G se tornará um elemento crítico para que as empresas adotem Edge Computing como parte de suas estratégias de multicloud híbrida. O 5G oferece as velocidades mais altas e a largura de banda necessária para reduzir a latência dos dados. À medida que as implementações do 5G avançam, os ecossistemas híbridos de nuvens aproveitarão cada vez mais as oportunidades de realizar a computação na ponta.

2) A automação dominará a próxima fase da multicloud híbrida
As empresas estão adotando estratégias de multicloud híbrida rapidamente, aproveitando a flexibilidade de mover aplicativos de negócios críticos para o ambiente de sua escolha - nuvem pública, local ou privada. No entanto, as vantagens de ambientes híbridos - incluindo resiliência, escalabilidade e suporte para uma ampla variedade de aplicativos, APIs e tipos de dados - trazem uma natureza complexa.

O resultado é que ferramentas automatizadas - como soluções que incorporam inteligência artificial - surgirão em 2020 para ajudar a gerenciar essa complexidade de múltiplas nuvens. Essas ferramentas permitirão que as empresas ajustem seus ambientes, colocando as cargas de trabalho certas no lugar certo, controlando custos e gerenciando chaves de segurança e criptografia de maneira eficaz.

3) Centros de comando de segurança proliferarão como parte das estratégias de nuvem híbrida
Cerca de 60% dos tomadores de decisão de TI classificaram a segurança como o atributo mais importante na seleção de um provedor de nuvem, mas esse continua sendo um problema complexo para gerenciar em ambientes híbridos e multicloud. Durante o ano, veremos o surgimento de mais ferramentas que podem descobrir insights de segurança e responder a incidentes mais rapidamente, ajudando a centralizar as operações. O surgimento do DevSecOps, onde a segurança é integrada ao próprio processo de desenvolvimento, é outra indicação de que um ecossistema de segurança mais conectado está nos planos para 2020.

4) Maior adoção de nuvens específicas por indústria
À medida que as organizações se voltam para a nuvem pública, elas procuram soluções que atendam às necessidades de seu setor específico. Para indústrias altamente regulamentadas, em particular, isso significa recursos que facilitam os encargos dedicados a questões de conformidade.

A nuvem pública para serviços financeiros lançada em 2019, que o Bank of America usará para hospedar aplicativos e cargas de trabalho importantes para dar suporte a seus 66 milhões de clientes bancários, fornece um ponto de verificação importante e um modelo útil que outras indústrias seguirão. Os ecossistemas terão que atingir mercados específicos, porque é muito difícil ser genérico. Portanto, o foco em oferecer um valor específico para cada setor e atender aos requisitos específicos de cada setor será maior.

5) As ferramentas de código aberto continuarão a ser disseminadas para facilitar a adoção de Kubernetes
A tecnologia de código aberto tem um impacto profundo na nuvem. Em 2020, os desenvolvedores se concentrarão em ferramentas que possam suportar a rápida implementação de aplicativos, que suas empresas precisam para permanecer na vanguarda da transformação digital.

Isso significa a adoção generalizada de entrega contínua (continuous delivery), no qual as organizações adotam a filosofia DevOps para testes e implementações rápidas. O modelo de entrega contínua está crescendo paralelamente ao maior desenvolvimento de aplicativos em nuvem nativos criados desde o início para serem implementados por meio de contêineres e Kubernetes.

Em resumo, as empresas terão uma crescente paleta de opções à sua disposição para facilitar o gerenciamento de carga de trabalho, acelerar a implementação de aplicativos, garantir a máxima segurança, explorar tecnologias aditivas como Edge e muito mais. Sem dúvida, o grande e novo mundo das nuvens da década que se inicia oferecerá valor, resiliência e capacidade de resposta que só eram concebíveis em sonhos até alguns anos atrás.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.