Gêmeas idênticas criadas em países diferentes têm diferença de QI intrigante

Gêmeas idênticas criadas em países diferentes têm diferença de QI intrigante

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 10 de Maio de 2022 às 11h20
halfpoint/envato

Gêmeas criadas em países diferentes teriam o mesmo QI? É o que busca responder um artigo publicado na revista Personality and Individual Differences, que relata o caso de duas irmãs nascidas em Seul (Coreia do Sul). Aos dois anos de idade, uma delas continuou na Coreia, enquanto a outra foi levada para os EUA, adotada após se perder dos pais.

Quando a família finalmente conseguiu se reunir, décadas depois da separação, as gêmeas protagonizaram diversos testes destinados a avaliar sua inteligência, personalidade, saúde mental e histórico médico. Os resultados revelaram que o QI da irmã que foi criada nos EUA era 16 pontos menor, o que simplesmente contraria a ciência.

Os estudos anteriores indicavam que a diferença média de QI não poderia superar os sete pontos, em casos de gêmeos, principalmente levando em conta que as habilidades cognitivas foram associadas a uma forte influência genética.

Por enquanto, os pesquisadores não sabem afirmar com convicção se essa discrepância foi causada por fatores socioculturais ou físicos, considerando que a irmã criada nos EUA sofreu concussão anteriormente, o que pode ter influenciado diretamente suas capacidades cognitivas.

O que influencia no QI?

Estudo mede QI de gêmeas criadas em países distintos (Imagem: Pressmaster/envato)

O QI, que significa quociente de inteligência, é uma medida da capacidade de raciocínio de uma pessoa. Assim, um teste de QI pretende avaliar o quão bem alguém pode usar informações e lógica para responder a perguntas ou fazer previsões. Trata-se de uma avaliação estruturada, pesquisada e clínica com respaldo psicológico e conduzida por profissional capacitado.

Esses testes podem ser administrados com vários objetivos, como diagnosticar um mau desempenho escolar, ou para orientação de carreira, por exemplo. É preciso entender, no entanto, que um QI baixo não significa que um indivíduo é incapaz de ter uma vida bem-sucedida e de alta qualidade e vice-versa. A maioria das pessoas tem a capacidade de aprender, independentemente de sua pontuação. A questão é que alguns aprendem mais rapidamente.

Além disso, a maioria dos testes de QI é projetada para medir um conjunto de habilidades intrínsecas à sociedade em que a pessoa que está sendo avaliada vive, e deixa de lado habilidades que também são um tipo de inteligência (como a música ou a carpintaria, por exemplo). Uma pontuação de QI conta uma história, mas nem sempre toda a história.

Em todo o caso, enquanto a gêmea criada na Coreia descreveu ter crescido em um lar familiar harmonioso, a que viveu nos EUA relatou uma educação mais dura, e uma infância marcada por conflitos frequentes e pelo divórcio de seus pais adotivos. O curioso é que, mesmo com essa diferença de criação, as duas tiveram pontuações idênticas para questões de autoestima e saúde mental.

Casos de gêmeos idênticos criados em países distintos são muito raros, então a ciência ainda não tem uma base sólida para afirmar algo nesse momento, de modo que mais estudos precisam ser realizados no futuro a fim de se compreender a proporção a que essas diferenças de criação pode atingir.

Fonte: Personality and Individual Differences, IFL Science, Science News for Students, One Central Health

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.