Acordar mais cedo reduz risco de depressão em 23%, segundo estudo

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 03 de Junho de 2021 às 07h30
Gregory Pappas/Unsplash

Acordar mais cedo pode reduzir o risco de depressão em 23%. Pelo menos, é isso que aponta um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade do Colorado em Boulder, Harvard e MIT.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores examinaram os dados genéticos de mais de 800 mil indivíduos. Dentre eles, 85 mil usavam rastreadores de sono, e 250 mil preencheram pesquisas de preferência de sono, identificando-se como pessoas matinais.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Em média, a maioria das pessoas ia para a cama por volta das 23h e acordava por volta das 6h. Os pesquisadores então compararam essas informações com um conjunto de dados de informações genéticas que incluíam registros médicos, e concluíram que a preferência diurna anterior geneticamente representada foi associada a um risco 23% menor de depressão. Em outras palavras, as pessoas matinais tinham 23% menos probabilidade de serem predispostas à depressão.

(Imagem: Claudio Scott/Pixabay)

No entanto, os pesquisadores alertam que um ensaio clínico maior é necessário para certificar a determinação de que acordar mais cedo pode realmente reduzir a depressão para pessoas que acordam mais tarde, em vez de encontrar uma correlação simples entre a hora de dormir e a depressão.

“Nós vivemos em uma sociedade que é projetada para as pessoas da manhã e da noite. Muitas vezes as pessoas se sentem como se estivessem em um estado constante de desalinhamento com o relógio da sociedade", explica o principal autor do estudo, Iyas Daghlas. O estudo completo pode ser acessado aqui.

Fonte: Futurism

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.