Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Brasil e América Latina: os novos destinos dos games e eSports

Por| 08 de Dezembro de 2023 às 10h00

Link copiado!

Pexels/Alena Darmel
Pexels/Alena Darmel

O mercado de tecnologia vem evoluindo rapidamente, com cada vez mais produtos e serviços se digitalizando, mudando também as formas de buscar e consumir lazer. Um dos maiores sinais desse movimento é que, em 2023, a indústria de games tem uma projeção de receita de US$ 187 bilhões, segundo o último relatório da Newzoo, US$ 17 bilhões a mais que em 2022.

Isto é mais de cinco vezes a receita total de US$ 32 bilhões projetada da indústria cinematográfica em 2023. Com a melhoria de infraestrutura de internet e maior penetração da tecnologia em mercados do mundo todo, e isto inclui Brasil e América Latina, essa mudança nos padrões de consumo também vem acontecendo por aqui.

Grandes mercados com grandes eventos

Continua após a publicidade

Segundo a Pesquisa Games Brasil 2023, mais de 75% dos brasileiros tem nos games uma das principais formas de lazer, e isto se reflete no mercado de maneira geral. Tendo movimentado US$ 12 bilhões em 2022, o Brasil tem a maior receita da América Latina para o segmento, e a 13ª maior do mundo.

Outro sinal evidente deste novo cenário a relevância que estúdios, fabricantes e organizações dão aos países da região em termos de eventos e ações, a ponto de a ESL ter trazido uma etapa do major de CS:GO para o Brasil por dois anos seguidos em 2022 e 2023. Além disso, a região ainda conta com duas das maiores feiras de games do mundo: a Brasil Game Show (BGS) e Argentina Game Show (AGS).

O evento do Brasil atraiu aproximadamente 300 mil visitantes entre os dias 11 e 15 de outubro, no Expo Center Norte, com ativações, torneios, produção de podcasts, e apresentação de produtos todos voltados para esse público, além de, claro, jogos. Apesar de não estar diretamente no pavilhão da feira, a Intel marcou sua presença por meio de marcas importantes como Lenovo, Dell, ou mesmo a Kabum, uma das líderes do varejo de eletrônicos no país.

Além disso, a Intel também reuniu cerca de 300 jornalistas, influenciadores e criadores de conteúdo, em um espaço próprio exclusivo, organizado no primeiro dia da BGS: o Intel Gaming Garage. A intenção era levar em primeira mão produtos, como os processadores Raptor Lake Refresh, e jogos de várias desenvolvedoras, para a imprensa especializada produzir conteúdos de qualidade com mais tranquilidade.

Justamente por ser um evento tão grande, pode ser difícil organizar agendas e conseguir espaços para gravar entrevistas com desenvolvedores, por exemplo. O Intel GG nasceu para atender a essa demanda.

Em paralelo, a AGS também marcou o mês de outubro, levando mais de 120 mil pessoas ao Centro Costa Salguero, em Buenos Aires. Assim como no Brasil, a feira reuniu os maiores criadores de conteúdo e atletas de eSports da América Latina. Além dos argentinos, a 9ª edição da AGS ainda contou com visitantes e convidados do Chile, Costa Rica, Uruguai e outros países.

Novas oportunidades

Números desse tipo explicam o recente interesse de fabricantes de consoles em expandir sua representação nacional, e desenvolvedoras de jogos investindo cada vez mais em trazer games totalmente localizados e dublados em português brasileiro. Naturalmente, isso também abre oportunidades para nichos ainda pouco explorados do mercado.

Continua após a publicidade

Apesar de boa parte dos gamers brasileiros utilizarem PCs para jogar, os ciclos de upgrade para esse público são mais curtos que os de uso geral. Além disso, a implementação da IA em PCs domésticos, tanto nos processadores quanto nas GPUs, irá representar um grande salto de desempenho nos próximos anos, deixando muitas máquinas atuais obsoletas rapidamente.

A Intel já tem no Brasil um de seus cinco maiores mercados do mundo, mas entende que, especialmente no setor de PCs gamer, ainda há muitas oportunidades de crescimento. Os novos processadores Meteor Lake visam, justamente, trazer ao consumidor brasileiro produtos versáteis que, mesmo sem serem projetados para games, conseguem entregar desempenho similar ou superior a alguns notebooks gamer de entrada.

Com isso, é possível ampliar consideravelmente a penetração de tecnologia nos mercados do Brasil e América Latina, fortalecendo ainda mais a comunidade gamer da região que só tende a crescer.